Digital influencer foi achado morto em Fortaleza após encontro com jovens que conheceu na web, diz amigo

0
Foto: Reprodução/Instagram

Um amigo do digital influencer Francisco Gleison de Sousa, de 24 anos, conhecido como Pirangay, afirmou nesta quinta-feira (23) que a vítima foi assassinada durante um encontro com dois adolescentes que ele havia conhecido em redes sociais.

Pirangay foi encontrado morto na manhã desta segunda-feira (20) em uma residência no bairro Parangaba, em Fortaleza. Ele mantinha um perfil em uma rede social, onde publicava vídeos e fotos com conteúdos humorísticos.


-Continua depois da publicidade ©-

Na noite desta quinta-feira (23), a polícia apreendeu um adolescente suspeito de participação no crime. Ele foi levado para a Delegacia da Criança e do Adolescente.

“Esses adolescentes o Pirangay conheceu nas redes sociais. Eu não os conhecia. Ele marcou um encontro, nós chegamos em casa e meu amigo falou: ‘Vamos pegar os meninos’. Então nós fomos pegá-los no Bairro João XXIII, por volta de 1h ou 2h da manhã, e os trouxemos para minha casa”, relatou.

Ainda de acordo com a testemunha, antes do crime, os quatro saíram juntos para comprar pizza e retornaram para o imóvel. “Voltamos e comemos a pizza. O Pirangay foi para o quarto com um e eu fui para o meu quarto com o outro. Quando entrei no quarto, um me deu uma gravata e eu apaguei. Não vi mais nada depois disso”, detalhou. “Quando acordei vi meu amigo deitado no chão, fiquei desesperado, chamei ele: ‘Pirangay, Pirangay’ e nada de ele se levantar. Eu tomei banho e fui diretamente pro 5º DP”, completou.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública, na manhã do dia 20 de janeiro, a testemunha, que também é proprietário da residência onde a vítima foi morta, compareceu ao 5º Distrito Policial para informar que havia encontrado o amigo já sem vida, em um dos cômodos do imóvel. Segundo ele, os únicos pertences roubados foram os dois celulares.

Amizade

O homem relatou também que conhecia Pirangay há apenas quatro meses, mesmo assim, eles sempre se viam nos fins de semana. “Ele fazia muita presença VIP. O pessoal chamava ele para as festas para fazer divulgações. Eu fazia questão de levar ele no meu carro para esses eventos, ele não tinha muitas condições e assim me tornei assessor dele. Sempre o levava, todo canto que ele ia, eu o levava no meu carro”, revelou.

Ele repudia as acusações de que possa ter envolvimento na morte de Gleison. “Eu não tenho envolvimento com nada. Eu era muito amigo dele. Como é que eu iria matar um amigo meu? Uma pessoa excelente! Eu não tenho envolvimento com nada!”, finaliza.

Detalhes da apreensão do adolescente serão esclarecidos em entrevista coletiva nesta sexta-feira (24) na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa, no Bairro de Fátima, em Fortaleza.