Endividamento das famílias é recorde, mesmo com saque do FGTS e mutirão de renegociação

Inadimplência também cresce. Para que a retomada econômica não seja afetada, é preciso manter as reformas, dizem analistas

0

Mesmo com estímulos ao pagamento de dívidas, com mutirões de renegociação, juros menores e liberação de recursos do FGTS, o percentual de famílias endividadas alcançou nível recorde em dezembro, segundo levantamento da Confederação Nacional do Comércio (CNC).

No mês passado, 65,6% tinham tomado crédito no cartão, por meio de empréstimo pessoal ou financiamento. A parcela de famílias inadimplentes chegou a 24,5% em dezembro, contra 22,8% do mesmo período de 2018.


-Continua depois da publicidade ©-

O consumo das famílias é a principal mola da economia e representa quase dois terços do Produto Interno Bruto (PIB). Para evitar que a inadimplência se torne um entrave à retomada da atividade este ano, economistas afirmam que é necessária a continuidade da agenda de reformas e de atração de investidores.

“Com o Brasil voltando a debater as reformas, como a tributária, e não gastando mais do que pode, o investidor estrangeiro ganha confiança para vir ao país. O reflexo será avanço do mercado de trabalho. Com as pessoas empregadas, elas podem consumir e pagar dívidas”, afirma Carlos Thadeu de Freitas, chefe da Divisão Econômica da CNC.

Na avaliação dos especialistas, o recorde de famílias endividadas está atrelado à volta ao consumo, o que poderia ser um sinal de aumento da confiança.

“As famílias estão tentando consumir mais. O dado de inadimplência pode ser interpretado como um reflexo de que as famílias estão fazendo planos a longo prazo, o que é positivo para a economia”, afirma Victor Wong, economista da Vinland Capital.

Um dos fatores que contribuem para essa aposta na melhora do cenário adiante é a redução dos juros para a mínima histórica de 4,5% ao ano.

Aliado à disposição para compras, isso poderia indicar que as famílias já conseguiram superar o período de crise e voltaram a fazer planos.

“As famílias queriam comprar, mas não faziam isso porque os juros pesavam no momento de pagar uma parcela ou empréstimo. A sequência de reduções da Selic abriu caminho para obter crédito menos caro e com mais facilidade”, avalia Carlos Thadeu.

Ainda assim, no ano passado o governo adotou uma série de iniciativas que favoreceriam a queda da inadimplência, como o mutirão de renegociação de dívidas do Banco Central (BC), no qual mais de 820 mil pessoas conseguiram acertar novas condições para o pagamento de R$ 4,5 bilhões em débitos. A medida foi bem-sucedida, e o BC já planeja repetir a estratégia este ano.

Em setembro, entrou em vigor o chamado saque emergencial do FGTS, no qual os cotistas do Fundo podem retirar R$ 500 de suas contas ativas ou inativas.

Para os economistas, o que impediu que essas medidas de estímulo tivessem resultado mais imediato sobre o endividamento das famílias foi a reação ainda lenta do mercado de trabalho.

“Mesmo com estímulos à quitação de dívidas no ano passado, além de um leve sinal de melhora da economia no fim de 2019, o desemprego é um indicador que ainda penaliza os brasileiros, causando o aumento de famílias com contas em atraso”, afirma Roberto Kanter, professor da FGV e especialista em varejo. “As pessoas aproveitaram os estímulos para pagar dívidas antigas. Mas, pouco tempo depois de limpar o nome, já pegaram crédito novamente, voltando à inadimplência. Para mudar isso, é preciso avanço no mercado de trabalho, com aumento da renda”.

Em novembro, dado mais recente do IBGE, o Brasil ainda tinha 11,8 milhões de brasileiros desempregados. Do total de 94,4 milhões de pessoas que tinham trabalho, 41% delas (38,8 milhões) eram informais, que tradicionalmente têm rendimento menor.

“A inadimplência cresce porque o mercado de trabalho avança pouco. A tendência é que a economia cresça menos do que em 2018 (quando o PIB avançou 1,3%, segundo o dado revisado). Esse cenário mantém parte da população inadimplente”, avalia Sergio Vale, economista-chefe da consultoria MB Associados, que aposta num cenário de queda do desemprego, melhora de indicadores de renda e crescimento econômico maior em 2020.