Projeto literário incentiva o gosto dos alunos pela escrita e descobre novos talentos em Lucas do Rio Verde

No final, cada participante recebeu certificado e um exemplar do livro com os poemas por eles produzidos

0
(Foto: Ascom Prefeitura/Neri Malheiros)

As turmas de terceiro e quarto anos que participaram do projeto “Desvendando o ato de escrever” mostraram no palco montado na Escola Municipal Caminho para o Futuro, na noite de quinta-feira, 14, como o estímulo pode promover o gosto pela literatura, a escrita e o protagonismo dos alunos.

Na plateia, pais e familiares aguardavam a entrada de cada um tão ou mais ansiosos que muitos dos “pequenos literatos” que vivenciavam a experiência de escrever um poema e usar o microfone pela primeira vez para fazer uma declamação diante de um público atento e cheio de expectativas.

--
-Continua depois da publicidade ©-
--

O relato de Clayton dos Santos, mostra o grau de envolvimento de seu filho, Lucas, de nove anos, com o projeto. “O Lucas chegou em casa muito empolgado e logo envolveu toda a família. Fez uns cinco a seis textos, que digitamos e passamos por e-mail para o professor. Ele estava bem ansioso, treinando muito, e gravou um dos poemas que ele escreveu para apresentar hoje”, diz.

Vindo de Nova Mutum há um ano e meio, Clayton ficou muito contente com o desempenho do filho e afirma que a escola foi um divisor de águas na vida dele. “Foi muito bom, ele me surpreendeu e isso tudo vai ficar na nossa memória. Ele era um menino quieto, passivo e hoje é um menino que se desenvolve, que tem a sua opinião e é bastante crítico. Os professores e Lucas do Rio Verde estão de parabéns com essa escola que está formando alunos que não têm medo de se expressar”, observa.


-Continua depois da publicidade ©-

Aluna do terceiro ano, Zaira Vitória Mateus tem oito anos e, ao terminar a declamação do poema por ela escrito, dirigiu um agradecimento à sua professora. “Eu escrevi sobre a minha escola e sobre o que eu passei. Resolvi agradecer à minha professora no final porque eles quase nunca são homenageados e também porque ela merece. Eu era bagunceira, não fazia as minhas atividades, tirava notas baixas, rasgava as minhas provas e jogava no lixo, subia em cima das mesas. Agora eu sou comportada, respeito e escuto os professores, faço todas as atividades e só tiro nota boa”, conta com satisfação.

Também estudante do terceiro ano, Maria Vitória Melo Souza, de nove anos, estava acompanhada de sua tia e ficou muito contente com a experiência vivida momentos antes no palco. “Foi maravilhoso, amei, isso mudou muito a minha vida. Meu poema falava sobre a minha escola e as escolas onde já estudei. Eu estava com muita vontade de escrever e não via a hora de terminar o poema para poder decorar. E hoje estava tudo na ponta da língua.”

Segundo o professor Francisco Ribeiro, coordenador do projeto “Desvendando o ato de escrever”, ele e seus colegas perceberam que muitos escritores renomados ainda eram desconhecidos dos alunos e resolveram levar o desafio em frente. “A gente levou a ideia para as salas de aula e pediu para os alunos fazerem um levantamento para ver o que esses escritores tinham produzido e também para eles escreverem seus próprios poemas em cima daquele autor que foi estudado”, relata.

A proposta foi colocada em prática a partir do primeiro semestre do ano. No final, todos os participantes receberam um certificado e ainda um exemplar do livro impresso com os poemas por eles produzidos. “Hoje foi a culminância com as apresentações desta noite. Foram mais de seis meses de trabalho, de escrita, reescrita até concluir o projeto”, destaca.