Operação que apura desvios de R$ 110 milhões no Detran-GO apreende carros de luxo, obras de arte, dinheiro e arma

0
Foto: Polícia Civil/Divulgação

A Operação Cegueira, deflagrada pela Polícia Civil para apurar fraude em licitação e desvios de recursos no Departamento Estadual de Trânsito de Goiás (Detran-GO), apreendeu diversos bens dos envolvidos – a maioria de alto padrão. Entre os itens estão 16 carros de luxo, mais de 15 obras de arte, uma quantidade de dinheiro em espécie que ainda está sendo contabilizada e até uma arma de grosso calibre.

A ação, realizada na quinta-feira (7), resultou na prisão de sete pessoas e no cumprimento de 55 mandados de busca e apreensão. As ordens foram cumpridas em Goiás, São Paulo, Mato Grosso o Sul e no Distrito Federal.

--
-Continua depois da publicidade ©-
--

O alvo da apuração é o contrato celebrado com a empresa Sanperes para realização de serviços de vistoria veicular, firmado em 2015 e com duração de dez anos.

A empresa informou, em nota, que foi “surpreendida” com a operação e que seus sócios “não foram intimados para nenhum ato jurídico anterior”. Afirmou ainda que sempre atuou “dentro da legalidade” e que seus advogados irão “tomar as providências cabíveis”.


-Continua depois da publicidade ©-

Também por meio de nota, o Detran-GO afirmou que apoia e vem colaborando com a Policia Civil e a Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO) na investigação que envolve a operação.

Enriquecimento ilícito

O delegado Rômulo Figueredo, que liderou as investigações, explicou que os desvios provocaram o enriquecimento ilícito dos envolvidos. Segundo ele, a Justiça autorizou o sequestro de bens até o valor de R$ 44 milhões.

O investigador explica que este valor já confirmado, segundo análise da Controladoria-Geral do Estado (CGE), como fruto de um reajuste indevido no valor preço das vistorias veiculares realizas pela Sanperes.

“Estamos concluindo outros levantamentos que trata do superfaturamento da tarifa, que proporcionou um enriquecimento ilícito de mais R$ 66 milhões, os quais também estaremos pleiteando a indisponibilidade para que o montante chegue a mais de R$ 100 milhões”, detalha.