Uma foto tirada por volta das 18h30 da última quinta-feira (18) e publicado na rede social do vereador Jiloir Peliciolli, gerou inúmeros comentários na página do vereador. Comentários favoráveis a fiscalização e também comentários contrários agitaram o post. Nossa equipe procurou a prefeitura para esclarecer tal situação que vem sendo compartilhado na cidade e gerando boatos. Confira abaixo detalhes do esclarecimento da prefeitura.

O Vereador agiu de forma irresponsável e eleitoral”, afirma coordenador da Assessoria de Comunicação, Daniel Tetila, ao se referir a postagem feita pelo vereador Jiloir Peliciolli (Mano da Saúde) em suas redes sociais, sobre um veículo da Secretaria de Educação que foi fotografado no estacionamento de um supermercado.

 

“Foto tirada às 6h30 da tarde, carro da prefeitura no estacionamento do Supermercado Del Moro, Centro. Servidores em compras!!! Pode isso???”, indagou Mano, referindo-se que o veículo estaria sendo usado por servidores público após o expediente de trabalho.

Em resposta a publicação do vereador, o Coordenador de Comunicação da prefeitura municipal, Daniel Tetila, esclareceu que o carro é de uso da escola Fredolino Vieira Barros, localizada na comunidade rural Groslândia, a cerca de 54 quilômetros do centro de Lucas do Rio Verde.

A diretora da escola precisou se deslocar para a cidade para participar de uma capacitação para todos os gestores escolares, promovida pela Secretaria de Educação, que iniciou as 18h00 com término previsto para as 22h00. Para não percorrer sozinha o trecho a noite, veio como motorista do veículo em questão o secretário da escola, que tem legalidade para dirigir o mesmo.

Por se tratar de uma comunidade distante e sendo comum os moradores pedirem algum auxilio para quem vem a cidade, o secretário da escola deixou a diretora no curso de capacitação e foi até o referido supermercado, aonde em anexo existe uma farmácia, para pegar um medicamento para uma moradora de Groslândia, que inclusive, segundo Tetila, a mesma já havia deixado pago pela mercadoria.

“O vereador deu a entender que o carro oficial estava sendo utilizado para fins particulares. É muito triste, pois o vereador que tem o dever de fiscalizar deve fazer isso, mas de maneira responsável e deve buscar identificar os fatos antes publicar de maneira leviana, atacando uma servidora da Educação”, comentou.

“É importante esclarecer que todo gestor recebe um recurso do Poder Público e que pode ser gasto da maneira que for conveniente. Então o gestor pode ir ao mercado, por exemplo, comprar lanches ou outros materiais em uma loja, ou até mesmo em uma sorveteria, para realizar eventos em sua escola. Então não é incomum ver um carro oficial em um estabelecimento, principalmente se for gestor de uma escola. Por isso é importante realizar essa averiguação”, disse o coordenador.

“Então quando o vereador faz esse tipo de publicação, ele age de maneira irresponsável e eleitoral. A única coisa que dá para entender é que o vereador está mirando em 2020 e atacou uma servidora da educação para atingir eleitoralmente a imagem do prefeito”, acrescentou Daniel Tetila.

 

Nesse caso o secretário da escola passou na farmácia do Del Moro, parou por dez minutos para pegar um remédio que havia sido pedido por uma moradora da Groslândia, tendo quem vista que na comunidade não há farmácia e existe uma dificuldade de acesso das pessoas a esse tipo de serviço. Tenho certeza, um vereador que se diz da saúde, se ele tivesse investigado e buscado a real situação do que aconteceu ali, ele não teria feito essa publicação infeliz. Foi uma questão de saúde”, concluiu Daniel Tetila.

 

Procurado pela equipe de reportagem do CenárioMT, o vereador Jiluir Pelicioli, afirmou que não há justificativa para veículos oficiais da Prefeitura estarem foram do horário de expediente em estacionamento de supermercado, mesmo sendo veículos de escolas do interior do município.
O carro nesse horário (18h30) estava fora do expediente. Cabe a nós, enquanto órgão fiscalizador fazer com que as coisas sejam justas. Mesmo sendo do interior é preciso que faça as demandas no horário de expediente. Isso é se apropriar de bens do coletivo do município para interesse pessoal. As 18h30 não têm justificativa para estar em supermercado, o que foi comprar ou deixou de comprar não importa. O que importa é que naquele horário não é permitido para estacionar em supermercado”, argumentou.

Em um dos comentários em sua rede social, o vereador garantiu que o servidor público estaria realizando compras no supermercado, não tão somente ido a farmácia.
“Eu acompanhei até para não ser injusto. Agora depois de ter caído nas redes social, de imediato, vai lá na farmácia comprar um remedinho pra dizer que estava comprando um remédio”, alegou o vereador.

 



--PATROCINADO--