Manchas de óleo: Shell diz que suas embalagens de lubrificante foram reutilizadas por terceiros

0

A empresa Shell Brasil afirmou nesta segunda-feira (14) que, embora tenham sido encontrados tambores de sua marca na Praia da Formosa, em Sergipe, o conteúdo original dessas embalagens não tem relação com o óleo cru que manchou o litoral brasileiro nos últimos dias. A Shell avalia que as embalagens foram reutilizadas por outras pessoas.

Análises feitas pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) verificaram que o material encontrado no interior dos barris é o mesmo das manchas de óleo que atingiram praias nordestinas nas últimas semanas. Pelo menos dois testes realizados pela UFS chegaram ao mesmo resultado.

--
-Continua depois da publicidade ©-
--

Diante disso, e após questionamento, a Shell alegou que:

“Tratam-se de embalagens de lubrificante para embarcações, de um lote não produzido no Brasil. Vale ressaltar que o próprio adesivo em um dos tambores encontrados em Sergipe traz a data de 17/02/2019 associada ao transporte do lubrificante Argina S3 30, e que a mancha de óleo cru que está atingindo o litoral começou a impactar a costa em setembro. Isso aponta para uma possível reutilização da embalagem em questão – reutilização esta que não foi feita pela Shell.”


-Continua depois da publicidade ©-

Além disso, a empresa afirma que não transporta óleo cru acondicionado em tambores em rotas transatlânticas. E enviou a foto abaixo, de amostra do lubrificante Argina S3 30, para demonstrar que não se trata do mesmo óleo encontrado nas praias.

O lubrificante Argina S3 30 é multifuncional, muito usado em partes metálicas de máquinas que funcionam com diesel.

Esclarecimentos ao Ibama

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse à GloboNews no sábado (12) que solicitou ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) que intimasse a Shell a prestar informações sobre barris com inscrição de um lubrificante fabricado pela empresa, que foram encontrados no litoral de Sergipe.

Salles disse ter feito a solicitação ao Ibama na última sexta-feira (11) e acrescentou que a Shell seria notificada nesta segunda. De acordo com o ministro, a empresa terá 24 horas para prestar esclarecimentos depois de notificada.

Segundo Salles, o objetivo da intimação é obter mais informações na tentativa de descobrir qual navio teria sido o responsável pelo despejo do material no mar. Conforme o ministro, não está descartada a hipótese de o óleo ter origem em um navio irregular, o que dificultaria a identificação dos responsáveis.