Tio de jovem baleado no Rio diz que votou em Witzel e hoje tem medo de sair de casa; ‘somos alvejados’

0

Parentes do jovem ferido por bala perdida dentro de uma barbearia no fim da tarde de quinta-feira (10), criticaram a ação da polícia na comunidade Para-Pedro, Zona Norte do Rio. O tiroteio deixou outras três pessoas feridas e um morto.

“A gente vê pessoas que não são competentes, pessoas incapazes de estar cuidando da nossa sociedade. Eu vou lhe falar uma coisa: o meu voto foi para o senhor. Eu deixei de votar em outras pessoas pra votar em você, pra hoje a gente poder ter medo de sair de casa, porque nós somos alvejados. É muita morte, é muita maldade. E a gente tem visto esse sofrimento. Nós estamos cansados disso, não aguentamos mais. Está aqui a camisa do meu sobrinho. É isso aí, governador”, disse o tio de Lucas, Valdemir Menezes.


Continua depois da publicidade-pix


Lucas Souza, de 19 anos, foi levado para o Hospital Getúlio Vargas. Ele foi atingido no braço e no peito mas o quadro de saúde dele é considerado estável. O rapaz foi atingido durante uma operação da Polícia Militar na comunidade.

Kelvin Gomes Cavalcante, de 17 anos, foi levado para o PAM de Irajá, mas não resistiu aos ferimentos. Ele estava na mesma barbearia que Lucas e aguardava para ser atendido. Kelvin trabalhava como mototaxista.

-Continua depois da publicidade ©-

“Meu filho sempre trabalhou, sempre trabalhou, se alistou no Exército. Toda comunidade, todo mundo vai falar bem do meu filho. Meu filho nunca foi bandido na vida. Era um filho amoroso”, disse a mãe de Kelvin, Isabel Gomes.

A PM disse que equipes do batalhão de Irajá realizavam uma ação para checar denúncias sobre a presença de grupos de criminosos rivais. Após o tiroteio, moradores fecharam a rua para protestar.

A corporação ainda não respondeu sobre as acusações dos familiares de Lucas e Kelvin. O caso vai ser investigado pela Polícia Civil.

A mãe de Lucas resumiu o sentimento da tarde de quinta-feira na comunidade Para-Pedro: “A gente se sente sitiada. A gente sai e não sabe se volta pra casa. A realidade é essa, infelizmente. E a gente pensa que nunca vai acontecer com a gente e, quando acontece, sem palavras”, disse ela.

PM diz que agentes foram atacados por criminosos

Em entrevista ao Bom Dia Rio na manhã desta sexta-feira (11), o porta-voz da Polícia Militar, Mauro Fliess, afirmou que, segundo relatos, entre os baleados n comunidade há criminosos que teriam passado atirando contra os PMs.

Segundo ele, isso tudo será analisado com as investigações. Sobre Kelvin e Lucas, o porta-voz afirmou que lamenta, mas que os policiais atiraram porque foram alvejados por criminosos.

“A Polícia Militar respeita imensamente a dor de uma família, mas há que se confiar no relato firme dos policiais militares de que precisaram entrar na comunidade. Houve um intenso confronto armado, marginais atiraram contra os policiais militares, que revidaram”, afirmou Fliess.

“Quem faz essa escolha, é o marginal. Ele pode colocar a arma dele no chão e entregar, mas ele faz a opção por confronto. Aquilo determina a atuação do policial militar é a lei. Precisamos evitar pré-julgamentos” , completou o porta-voz da PM.





-Patrocinador-