Mato-grossense alcança ‘Top 3’ em campeonato de fisiculturismo nacional

0
Foto: Arquivo Pessoal

Depois de ganhar um título internacinal na Arnold Sports, em São Paulo em 2018, e vencer o Campeonato Mato-grossense de Culturismo em junho deste ano, a agente de viagens e guia de turismo Nerilde Strey, 39, voltou para casa com mais um título após ficar no ‘Top 3’ do ‘Sardinha Classic – que aconteceu no dia 22 de setembro em Balneário Camboriu – na categoria ‘Master’.

Apesar de já ter participado de um campeonato internacional, a atleta conta que esta foi uma das competições mais difíceis que já participou. “Quando eu cheguei lá eu entrei na categoria ‘Master’, e a gente já sabe como são nossas amigas de palco. Todas se preparam para aquele momento. Todas se preparam para cada uma se superar a cada palco que sobe. A gente quer apresentar um shape melhor, com mais qualidade, mais maturidade muscular. Essa é a intenção”, contou.


Continua depois da publicidade-pix


“Eu cheguei sabendo que eu estava com um perfil legal, mas o campeonato estava ‘Nível Arnold’. Atletas com qualidade muscular inacreditável de ver. Uma mais linda que a outra. Os melhores atletas estavam ali. Eu não senti medo, eu senti orgulho de estar junto, ao lado delas”, completou.

Nerilde ficou em terceiro lugar, após uma preparação intensa, cortando carboidrados para ‘secar’. “Se você parar para pensar, somos guerreiras. A gente deixa de comer as melhores coisas, que de certa forma nos fazem mal, dão gordura… a gente acaba sendo antisocial com os amigos e a família porque a gente não pode sair, tem diversas coisas. E para chegar num shape desses, a pessoa tem que ter muita disposição. Ela tem que brigar com ela mesma”.

-Continua depois da publicidade ©-

A ‘briga’ da atleta começou há pouco tempo, em 2015, quando decidiu que queria ser fisiculturista. “Quando eu iniciei eu tinha 23% de gordura, era gorda para ser atleta. Mas eu quis, corri atrás, fiz uma reeducação alimentar, procurei o Gil Melo para me auxiliar, e ele me indicou nutricionista, nutrólogo, e a gente começou a correr atrás. E a gente precisa de uma equipe multidisciplinar para evoluir, mas se você não tem foco, você não consegue”.

Sobre as críticas, ela diz que servem de motivação: “Quando alguém fala: ‘Negah, você está se masculinizando, ficando muito forte, cuidado…’ A meta do fisiculturismo é isso. Então, se eles estão enxergando isso, pra mim é uma motivação, porque é onde eu quero chegar”, comemora.





-Patrocinador-