Câmara de Cuiabá aluga 36 carros ao custo de quase R$ 775 mil ao ano

0
Foto: Câmara de Cuiabá

A partir deste mês os gabinetes e secretarias da Câmara de Vereadores de Cuiabá vão ter carros à disposição. Serão alugados 36 veículos.

Alguns vereadores defendem o aluguel de veículos pela Câmara. O vereador Juca do Guaraná Filho (Avante) disse que vai aceitar o benefício. “Eu vou pegar o veículo para atender melhor a população cuiabana. Eu tenho dois e terei três”, afirmou.

--
-Continua depois da publicidade ©-
--

Mas tem outros que já anunciaram que não vão pegar nenhum carro, entre eles os vereadores Luis Cláudio e Diego Guimarães, ambos do PP.

“O nosso gabinete já tem a verba indenizatória e a gente não vai utilizar o veículo destinado a cada gabinete. Ele poderá devolver para a locadora ou utilizar de outra forma”, afirmou Luis Cláudio.


-Continua depois da publicidade ©-

O custo será de até R$ 775 mil por ano.

O secretário de Gestão Administrativa da Câmara de Cuiabá, Paulo Nascimento, afirmou que os veículos não devem ser para uso particular dos vereadores, mas como ferramentas de trabalho para o gabinete. “São ferramentas de trabalho dos gabinetes, como impressora, papel, material de escritório”, disse.

Questionado sobre a verba indenizatória de R$ 18 mil que cada vereador recebe, destinada ao custeio de despesas das atividades parlamentares, ele afirmou que essa verba é destinada ao custeio de despesas pessoais do vereador.

“Já os demais assessores utilizarão o carro como ferramento de trabalho. Assim como eu tenho que dar caneta para as pessoas escreverem, eu tenho que dar veículo, porque o assessor tem que se deslocar até a periferia da cidade para acompanhar as demandas dos munícipes”, argumentou.

A Procuradoria da Câmara de Cuiabá diz que não há nenhum impedimento legal para o aluguel de veículos para o órgão.

Por isso, o presidente Misael Galvão (PSB) defende o benefício, independentemente das críticas. “Poderei ser criticado? Sim, poderei ser criticado. Veículo não é pra vaidade pessoal e nem para o ego de vereador, é ferramenta de trabalho”, disse.