Caminhos da Reportagem mostra segurança e privacidade na internet

Especialistas recomendam precaução na hora de compartilhar informações

0
Juliana Akaishi. - Foto TV Brasil

O lançamento recente do FaceApp, um aplicativo de envelhecimento disponível nas plataformas Google e Apple, veio cercado de polêmica. Especialistas em segurança na rede alertaram para o fato de os usuários estarem voluntariamente compartilhando seus dados com uma empresa desconhecida. A brincadeira “10 years challenge” – desafio dos 10 anos – também incendiou a internet. Assim como o FaceApp, a suspeita era de que o sistema poderia fornecer uma gama de informações, nesse caso ao Facebook, para treinar algoritmos de reconhecimento facial com base na progressão da idade.

A descoberta de que assistentes do Facebook, da Amazon e do Google ouviam e gravavam os áudios dos usuários também chamou a atenção. “Se você se compromete, como empresa, que o assistente só vai começar a gravar quando eu der um comando e ele está gravando em momentos outros, tenho aí um problema”, diz a advogada Juliana Akaishi. O jornalista Carlos Alberto Teixeira, especialista em tecnologia, faz uma reflexão “as pessoas começam a tomar mais cuidado com o que está sendo falado.”


Continua depois da publicidade-pix


Esse é o tema do programa Caminhos da Reportagem, da TV Brasil, que vai ao ar hoje (1º), às 21h30.

Qual o perigo das informações que estamos compartilhando diariamente na internet? É preciso tratar o que se coloca na rede com mais responsabilidade? O pesquisador de segurança em tecnologiaThiago Marques ressalta que as redes sociais são uma boa ferramenta, mas precisam ser usadas da forma correta: “Evitar postar informação demais. Se você foi viajar para uma determinada cidade e tirou um monte de foto, talvez não poste no dia em que você está lá. Volta e aí posta as fotos.”

-Continua depois da publicidade ©-

Diante dos fatos, é preciso debater a importância de uma legislação para proteger os dados de cada usuário. Desde 2018, a União Europeia conta com um regulamento que dá poder de escolha ao usuário sobre o que ele decide compartilhar com as empresas.  Aqui no Brasil a questão jurídica também avançou. Em 2014 foi criado o Marco Civil da Internet e no ano que vem entrará em vigor a Lei Geral de Proteção de Dados: “Ela cria uma autoridade nacional para avalizar as empresas a fazer tratamento de dados, então essa lei traz, sim, muitas inovações”, ressalta Guilherme Farid, da Fundação Procon de São Paulo.





-Patrocinador-