Com novos saques, aplicativo do FGTS lidera ranking em loja virtual

O app ganha popularidade por causa do início dos saques imediatos do fundo, anunciados pelo governo federal e limitados a R$ 500 por conta

0

O aplicativo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aparece neste domingo (15) na primeira colocação na lista de “top apps” gratuitos da Play Store, loja virtual de programas para dispositivos móveis do sistema operacional Android. O programa do fundo e o da Caixa estão entre os principais, juntamente com opções populares como Whatsapp, Facebook, Instagram e Kwai.

Os “top apps” são uma das categorias da loja virtual Play Store. O ranking é definido por critérios próprios e não públicos do Google, conglomerado controlador da loja. A posição do ranking não é dada, assim, pelo número de downloads. O aplicativo do FGTS, por exemplo, marcava até a data da publicação 60 mil downloads. Já Facebook e Whatsapp chegavam à casa dos 90 milhões de carregamentos.


Continua depois da publicidade-pix


O aplicativo foi atualizado no início do mês. Entre os novos recursos incluídos está a consulta do processo de saque imediato e adesão a ele. A ferramenta também passou a disponibilizar informações e permitir consulta para o saque aniversário.

Na Play Store, na escala de 1 a 5 o app possuía média de 3,2. A nota é dada pelos usuários que fazem o carregamento de cada app. Nos comentários, muitas pessoas reclamavam que a atualização da versão havia vindo com problemas (ou bug, no linguajar popular utilizado para equipamentos e serviços de informática).

-Continua depois da publicidade ©-

Diante das reclamações, a Caixa respondeu no espaço de comentários que havia enfrentado problemas, mas que o procedimento de cadastramento havia sido corrigido e que poderia ser novamente realizado para viabilizar a instalação e o uso do app.

O app ganha popularidade por causa do início dos saques imediatos do FGTS, de até R$ 500 por conta, anunciados pelo governo federal. No primeiro sábado (14), a Caixa registrou 12 milhões de transações relacionadas ao pagamento. Já foram creditados quase R$ 5 bilhões nas contas de trabalhadores atendidos com o benefício.





-Patrocinador-