‘Gentileza não gera Gentileza’

Filósofo Fabiano de Abreu desconstrói o dito popular ‘Gentileza gera Gentileza’

0

Para o filósofo e pesquisador, ser gentil é muito além de falar a verdade, mas ter a sensibilidade de saber como dizê-la

Há alguns anos atrás no Rio de Janeiro, nascia um mito e com ele um dito popular: ‘Gentileza gera Gentileza’. A frase, que estampava diversos murais desenhados pelo icônico e quase mítico ‘profeta’ Gentileza nas pilastras da antiga Perimetral, que era uma via expressa elevada sobre a Avenida Brasil, nos anos 2000 virou um mantra social, sendo reproduzido à exaustão em camisetas, outdoors e na rede social. Mas será que o pitoresco pregador urbano José Datrino, conhecido como Gentileza, tinha razão?


Continua depois da publicidade

O filósofo e pesquisador Fabiano de Abreu acredita que existem alguns pontos a serem considerados quando o assunto é falar sobre ser gentil. ”Gentileza gera gentileza? Gentileza não gera gentileza se o interlocutor for estúpido, se não tiver inteligência emocional e não for sensível. Ser Gentil é ser bom e sentir-se do bem, mas não é algo humano, é uma conquista. Gentileza é uma virtude que tem a ver com a cultura local, um protocolo social, onde nada mais é do que uma espécie de obrigação dentro de uma educação, uma obrigação que, instalada em nosso cotidiano, passa a ser inconsciente. Assim, as consequências da gentileza também são saudáveis e podem ser percebidas como algo que nos traz qualidade de vida. Ser gentil é ser bom e sentir-se do bem, mas nem sempre gera de volta a gentileza”.

Verdade x Gentileza

Fabiano aponta que ser gentil não necessariamente tem a ver com falar a verdade: “É importante entender que a gentileza não quer dizer falar a verdade e, sim, saber como falar a verdade. Ser gentil não é ser humano e, sim, sociável. O ser humano carrega defeitos e qualidades e ser sociável é um aprendizado que visa a convivência, a vida em sociedade. Praticar a virtude de ser gentil é uma conquista de consciência e é a conquista de um conhecimento. Dizer a verdade sem precisar ferir o próximo é a verdadeira gentileza”.

-Continua depois da publicidade ©-

Tipos de gentileza

O filósofo também classifica os “tipos” de gentileza existentes: “primeiramente, existe a gentileza superficial, que se refere apenas ao tratamento comum em sociedade. Depois a Gentileza impregnada, que se manifesta através daquele que não mede esforços em ajudar. E há também o gentil de natureza, que tem tranquilidade e inteligência emocional apuradas a ponto de não se importar com a resposta ignorante”.

Como ser gentil?

Fabiano ressalta que há quem não responda à gentileza e também há aqueles que podem se irritar com a gentileza alheia como se fosse uma afronta à sua arrogância. Então, como ser gentil mesmo em meio a um ambiente hostil? O filósofo responde: “Quando se tem ciência das consequências de ser gentil e se tem uma segurança de si mesmo e dos seus valores, é possível experimentar a gentileza mesmo recebendo como retorno a arrogância constante. Faça com que a gentileza seja natural e constante sem determinar um tempo, pois, os resultados, quanto mais tarde aparecerem, mais apaixonantes serão”.

Como suportar um estúpido?

Na opinião do pesquisador, só quem consegue ser gentil alcança a plenitude, e com paz e plenitude somos capazes de organizar melhor a vida e meditar sobre suas consequências e caminhos: Assim, a gentileza é uma consultoria gratuita para o bem do próximo. A gentileza não é só um tratamento polido, mas um caminho para sermos plenos em nossas vidas”.

E como proceder diante da incompreensão e da estupidez alheia? Fabiano aconselha: “O gentil também é o antônimo (contrário) de egoísta e imprestável. Ser gentil é uma pré-disposição a agir em prol do outro. O gentil espontâneo, quando age ao lado de um arrogante, fere na alma dessa arrogância mesmo que o egoísta não queira admitir. O arrogante que mantém a arrogância é um desprovido de intelecto ou uma pessoa que não tem o conhecimento do equilíbrio e sentido das consequências. Não consegue, sem treino e vontade de mudar, entender a gentileza. Se sua gentileza foi respondida com estupidez ou arrogância, mantenha-se calmo e encontre seu equilíbrio. Trabalhe sua mente em outros afazeres e esqueça isso. As consequências negativas não serão suas”.

Tenho sido ignorante mas quero mudar. O que fazer?

Fabiano aponta que é possível ter bons resultados na vida procurando ser gentil. Segundo o filósofo, é possível abandonar práticas e costumes ignorantes e se tornar uma pessoa mais gentil, colhendo frutos e benefícios desta decisão: “Busque o equilíbrio e medite para um autoconhecimento e descubra suas qualidades para buscar seus objetivos. Assim, não terá mais tempo de ser arrogante. Também verás que não leva a nada ser assim, aliás, leva, sim, a pontos negativos na própria vida. Ser gentil é ser generoso mesmo que sua generosidade seja apenas pelo bom trato.Ser gentil não é uma virtude com a necessidade de criar vínculos. São atitudes que precisam ser espontâneas pelo bem próprio, do outro e de toda uma sociedade”.

Segundo ele, a gentileza tem a ver com o exercício dos mais nobres e evoluídos sentimentos: “O gentil é altruísta, é aquele que desenvolveu o nível evoluído em prol do bem comum. De todos os defeitos do mundo, o egoísmo é o que mais trouxe consequências ruins à humanidade e ao ser humano. Ser gentil é tratar o próximo como gostaria de ser tratado. Se você não trata alguém bem, está penalizando a si mesmo por não aceitar a si próprio”.





-Patrocinador-