É possível uma pessoa, literalmente, morrer de rir?

0

Há poucos momentos tão agradáveis na vida com aqueles em que se perde o controle da risada. Muitas vezes, pode até nem ser na hora mais apropriada, mas um ataque de riso sempre melhora o dia de qualquer pessoa, deixando uma sensação de felicidade e alívio até nas mais sérias.

Mas se o ataque de riso for mesmo um ataque? É possível morrer a rir? “De uma forma geral, a resposta é não“, indicou Jorge Antonio Gutierrez, professor-assistente de cardiologia na Faculdade de Medicina da Universidade de Duke.

--
-Continua depois da publicidade ©-
--

“Alguém pode ter um ataque cardíaco enquanto está rindo, mas iriam ter um ataque cardíaco de qualquer forma”, esclarece, citado pelo Gizmodo.

O docente admite, porém, outras “associações”. “Uma investigação recente publicada no Journal of Epidemiology, sobre quantas vezes as pessoas riam e mostrou que as que riam menos vezes tinham mais probabilidade de morrer e maior risco de problemas cardiovasculares”, acrescentou.


-Continua depois da publicidade ©-

Jorge Antonio Gutierrez citou um único caso, de que tem conhecimento, de uma mulher que morreu rindo, mas cuja “natureza era um problema cardiovascular”. Trata-se de uma mulher de 50 anos de idade, com medicação para esquizofrenia, que “às vezes causam batimento cardíaco irregular”.

A mulher tinha indicações de que deveria parar a medicação por causa do risco cardíaco, mas ela não seguiu o conselho. “Ela estava em sua casa e alguém contou uma piada. Ela riu durante dois ou três minutos, desmaiou e morreu. O riso causou uma arritmia: ela realmente morreu de rir”, indicou o médico.

Outros médicos, como Dana Abendschein, da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, parecem concordar com Jorge Antonio Gutierrez, no sentido em que o riso dificilmente seria a principal causa de morte, mas poderá ajudar. “Se uma pessoa estiver rindo enquanto estiver comendo e aspirar comida para a traqueia, bloqueando as vias respiratórias”, pode morrer rindo, mas por causa da comida, que a sufocará.

Assim como a questão acidental da comida, existem condições de saúde que podem ser prejudiciais em um episódio de riso, mas nunca será o riso a causa principal, remetendo sempre para um problema de saúde já existente.