Prefeitura deve economizar R$ 10,5 milhões e aumentar 1,5 mil vagas com novas salas em creches

0
Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Um estudo feito pela secretaria de Educação deve gerar uma economia de R$ 10,5 milhões para os cofres públicos e, mesmo assim, aumentar 1,5 mil vagas nas creches de Cuiabá, segundo o secretário Alex Vieira Passos. Em entrevista, ele pontuou que a meta de atender 50% da demanda até 2024 deverá ser batida com tranquilidade pelo município, tudo através de uma gestão humanizada e responsável.

Levantamento feito pela secretaria aponta que a partir de quatro anos em diante, não existem alunos na fila de espera. Porém, de zero a três, ainda há uma demanda, que já foi diminuída em 30% desde que a gestão do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) assumiu. A meta, conforme o gestor, é atender 50% da demanda até 2024.

--
-Continua depois da publicidade ©-
--

“O crescimento populacional não para. Fomos uma das poucas capitais que cresceu nos últimos anos. No caminho que estamos, devemos até passar isto. Nosso estudo mostrou que seriam necessários construir 25 novos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) para zerar a fila de espera”, explicou o secretário.

A construção destes 25 novos CMEIS custaria algo em torno de R$ 50 milhões aos cofres públicos. Porém, uma alternativa encontrada pela equipe da secretaria conseguirá resolver parte do problema sem gastar muito dinheiro.


-Continua depois da publicidade ©-

“Identificamos que temos 51 creches que atendem até 80 alunos. Destacamos e remodelamos. Parte delas não tem coordenador pedagógico próprio. Vamos construir de uma a duas salas de aula em cada uma destas creches e colocar um coordenador. Claro que, para isto, mexeremos um pouco a estrutura. Se conseguirmos fazer isto, transformando todas estas unidades em Centros de Educação Infantil Cuiabano (CEICs), aumentaremos o número de alunos, e cresceremos a idade. Passaremos a atender de zero a três anos neste locais”, explica Alex.

Conforme a conta divulgada pela pasta, de forma rápida, são 1.500 alunos que precisam ser atendidos. Para isto, seriam necessários seis CMEIS, o que geraria um gasto de R$ 13 milhões com construção. Além disto, precisariam ser contratados 360 funcionários.

“Com a nossa ideia, vamos, no máximo, ter 150 funcionários e não gastaremos R$ 2,5 milhões. Assim, vou conseguir atingir a meta estipulada até 2024. Claro que tem unidades que estão lá no bairro que não vamos conseguir atender. Mas para isto existem os CMEIS, onde está o crescimento de Cuiabá”, comentou o secretário.

A rede municipal de Educação de Cuiabá possui 163 unidades de Ensino entre creches, Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI) e Escolas Municipais de Educação Básica (EMEB), urbanas e do campo, que atendem cerca de 53 mil estudantes. São no total 9,6 mil servidores dos quais 3 mil são professores.

O titular da pasta de Educação de Cuiabá ainda falou dos programas educacionais e de iniciativas pedagógicas que estão fazendo a diferença na Educação do Município como os Programas de Alfabetização Cuiabana (ProAC), Inteligência Emocional, a Escola Cuiabana – Culturas Tempos de Vida Direitos de Aprendizagem e Inclusão como é chamada a Política Educacional do Município, além da nova Lei Orgânica dos profissionais da Educação que está sendo finalizada, e que traz como prioridade, a valorização dos servidores, hoje detentores do  4º melhor salário do Brasil. “Queremos pagar muito melhor os trabalhadores da educação”, disse o gestor ao lembrar o Concurso Público em andamento, com 2002 vagas para todas áreas da Educação.

Em relação aos trabalhadores, Alex Vieira Passos destacou também a readequação que permitiu aos funcionários de carreira com direito a férias, prêmios e outros ganhos vencidos, regularizarem sua situação, após quase 10 anos; além do pagamento de Reajuste Geral Anual (RGA), salários na conta dentro do mês, e ganho real para os professores, nos últimos dois anos. O secretário disse ainda que em relação a este ano, o índice está sendo definido pela equipe econômica do município.