Prédio onde soldados eram treinados para a guerra virou biblioteca pública em MT

0
Foto: Gcom/Assessoria

O prédio onde funciona a Biblioteca Pública Estadual Estevão de Mendonça, no Centro de Cuiabá, foi uma unidade militar que treinava combatentes para guerra. Fundada em 26 de março de 1912, passou por duas sedes até ocupar o prédio do Palácio da Instrução, em 1975.

O prédio tem o estilo neoclássico está preservado e abriga uma das maiores bibliotecas de Mato Grosso.

A biblioteca guarda cerca de 80 mil livros entre acervo geral e acervo do estado, e também alguns livros específicos com temas afro, indígenas e uma sala com obras literárias raras.

“Um local que antes abrigava uma unidade militar, e suas armas, hoje dá lugar a outro tipo de arma, talvez a mais poderosa de todas elas – os livros. Muitas décadas se passaram para que fosse feita essa transição, mas em todas elas havia algo em comum, a imponência do prédio chamado Palácio da Instrução”, são palavras do professor mestre Fernando José Ribeiro dos Santos, ex-superintendente de Educação e Cultura do estado.

Eliane Maria Moreira, gerente da biblioteca pública estadual, disse que a importância da biblioteca pública é manter a comunidade informada, contribuir para que as pessoas tenham o gosto e o prazer na prática da leitura.

A historiadora Fabíola Arruda de Souza contou que a instituição tem grande importância para o público em geral e que várias pessoas frequentam o lugar. “A biblioteca é um verdadeiro tesouro, guardiã da memória de vários trabalhos e autores da história. Tudo isso é muito importante para Mato Grosso e as pessoas vem aqui pesquisar, conhecer e estudar” disse.



A construção do prédio favorece a temperatura do local. Construído em um tempo que nem se falava em ar-condicionado, as portas imensas, janelas grandes e paredes de 70 centímetros de largura, que garantem uma temperatura mais amena e proporciona conforto e tranquilidade para o público que usufrui do espaço.

No projeto inicial do imóvel, o lugar também serviu como escola. Abrigou duas instituições públicas de ensino da capital. O local funcionou como a Escola Normal Pedro Celestino e a Escola Modelo Barão de Melgaço, e temporariamente a Escola Estadual Liceu Cuiabano Maria de Arruda Müller.

O professor Gabriel Novis Neves conta que vários governadores do estado queriam que o prédio fosse um marco para a educação. O governador Joaquim Costa Marques construiu o prédio e chamou de Palácio da Instrução. Ele disse que acha correto o nome. “Educação é em casa e instrução é na escola”, afirmou.

De acordo com a gerente da biblioteca, a instituição, além de receber a população, como um trabalho de inclusão social, as portas também são abertas inclusive para os moradores de rua. Existe uma equipe multidisciplinar que leva cultura e informação para outros lugares fora do ambiente da biblioteca.

A biblioteca tem projetos itinerantes, onde uma equipe viaja para outros lugares no estado. Existem programas do governo que fazem renovação e preservação dos acervos. Além dos livros físicos, o lugar tem laboratório de informática e livros em braile para deficientes visuais, como a Bíblia Sagrada.

Este ano a neta de Estevão de Mendonça doou para o acervo da biblioteca um livro escrito pelo avô que é homenageado com o nome da biblioteca. O livro tem 100 anos e foi publicado em 1919. Além do livro, foi doado para a biblioteca documentos raríssimos.

“Diz o geógrafo Peshel, citado por João Ribeiro, que foi o ouro, ou a ilusão do ouro, que povoou quase toda a América. Tal conceito aplica-se rigorosamente às origens da cidade de Cuiabá”, trecho do livro.

Estevão de Mendonça nasceu em 1869, em Santo Antônio da Barra, distrito de Barão de Melgaço, a 121 km de Cuiabá. Foi advogado, historiador, sócio fundador do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso (IHGMT) e da Academia Mato Grossense de Letras. Estevão morreu em 1949.

A biblioteca é considerada patrimônio da cultura mato-grossense. O espaço funciona também para manifestações culturais e tem programação de contação de história, cursos, oficinas.