Mais de 1 mil acidentes graves foram registrados no ano passado em Mato Grosso

0
Foto: CenárioMT

Em 2018, 1.055 laudos periciais de acidentes de trânsito classificados como atropelamentos, saída de pista, colisão em cruzamentos, invasão de faixa, dentre outros, foram concluídos pela Perícia Oficial e Identificação Técnica em Mato Grosso (Politec). A atuação da Politec se enquadra em acidentes de trânsito com vítimas fatais, lesões graves ou dano a viaturas.

Um levantamento da Comissão de Coleta, Análise de Dados e Gestão da Informação de Acidentes de Trânsito de Cuiabá vinculada ao Projeto Vida no Trânsito, através da integração dos bancos de dados da Saúde e da Segurança Pública, revela que no ano passado houve um crescimento de 20% na violência no trânsito de Cuiabá, em relação ao ano anterior.


Continua depois da publicidade

Ainda segundo o estudo, em Cuiabá, do total de acidentes registrados em 2018, aproximadamente 83% ocorreram no perímetro urbano, em “vias expressas”, sendo, no período analisado, o excesso de velocidade o fator de risco que mais contribuiu para os acidentes fatais em Cuiabá, seguido por condução sob efeito de álcool. A conduta de risco mais frequente foi a falta de habilitação.

As condutas e os deveres de todos os indivíduos que participam do trânsito estão previstas no CTB, que é um documento legal que estabelece as normas, infrações e penalidades para os diversos usuários do Sistema Nacional de Trânsito.

-Continua depois da publicidade ©-

Maio Amarelo

A Politec apoia o movimento “Maio Amarelo”, que nasceu com a proposta de chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo. A assembleia-geral das Nações Unidas editou, em março de 2010, uma resolução definindo o período de 2011 a 2020 como a “Década de Ações para a Segurança no Trânsito”.

O documento foi elaborado com base em um estudo da OMS (Organização Mundial da Saúde) que contabilizou, em 2009, cerca de 1,3 milhão de mortes por acidente de trânsito em 178 países. Aproximadamente 50 milhões de pessoas sobreviveram com sequelas.





-Patrocinador-