MT deixa de arrecadar R$ 65 milhões com a venda ilegal de cigarros em 2018

0

Aproximadamente R$ 65 milhões deixaram de ser arrecadados pelo estado em 2018 com o comércio ilegal de cigarro. O mercado ilegal do produto movimentou cerca de R$ 155 milhões no estado no ano passado, sem o recolhimento de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), segundo levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO).

De todos os cigarros que circulam em Mato Grosso, 56% são contrabandeados. No Brasil, esse percentual é de 54% e no Centro Oeste, de 58%. Do total comercializado no estado, 50% foram contrabandeados do Paraguai e 5% foram produzidos por empresas que operam irregularmente no país.


Continua depois da publicidade

Em 2018, foram comercializadas 699 milhões de unidades de cigarros frutos de contrabando, sendo que mais de 90% do Paraguai, e 557 milhões do mercado formal.

O levantamento, que é feito em parceria com o Ibope, aponta que mais de 70% do mercado ilegal de cigarros concentram-se em 10 municípios mato-grossenses. São eles: Cuiabá, Várzea Grande, Barra do Garças, Sorriso, Rondonópolis, Sinop, Paranaíta, Alta Floresta, Nova Mutum e Canarana.

-Continua depois da publicidade ©-

Segundo a pesquisa, 82% dos estabelecimentos que vendem cigarros também comercializam o produto contrabandeado, principalmente em bares (46%), mercados e mercearias (20) e ambulantes, cujo percentual não foi divulgado.

As 10 marcas mais vendidas no estado são de origem paraguaia. Segundo o ETCO, a alta carga tributária do país é um dos fatores que contribuem com o mercado ilegal. No Brasil, é cobrado em média 71% de impostos sobre o cigarro produzido legalmente no país, enquanto no Paraguai, de 18%.

O preço mínimo de uma carteira de cigarros estabelecido pela legislação brasileira é de R$ 5 e, no ano passado, o valor médio cobrado no mercado formal foi de R$ 7,74 e no mercado informal, de R$ 4,43.

Em Mato Grosso, são 150 fiscais nos postos de fiscalização para evitar a evasão fiscal e 34 nas operações volantes, que trabalham em regime de escala e revezamento.





-Patrocinador-