Cooperativismo alavanca produção e conquista comércio em Sorriso

Aproximadamente 52% de toda a merenda escolar é fornecida pela Agricultura Familiar. São mais de R$ 1,5 milhão injetados na economia do pequeno produtor da região.

0
Secretário Silvano Amaral anunciou decisão do Governo que autoriza a regulamentação do Susaf, que deve entrar em vigor no prazo de 60 dias - Foto por: Lucas Diego

O 3º Dia de Campo da Fruticultura Irrigada, realizado nesta sexta-feira (10), no Assentamento Jonas Pinheiro em Sorriso, surpreendeu os participantes pela alta capacidade de produção e cooperativismo entre os produtores. O evento faz parte do programa “Frutifica Sorriso”, e recebeu mais de 250 produtores do município e região para debater “Os desafios no manejo para produzir com qualidade”. O tema envolveu atividades como palestras técnicas, mesas-redondas com debates sobre a implantação, manejo e comercialização da fruticultura, finalizando com visitas técnicas às áreas de demonstração.

Em Sorriso, a agricultura familiar é destaque na produção de hortifrutigranjeiros, e se tornou o principal fornecedor da merenda escolar no município. São mais de R$ 1,5 milhão por ano que retorna em forma de renda para os produtores. Significa dizer que 52% de toda merenda escolar consumida pelos alunos da rede municipal são provenientes da agricultura familiar.

Números impressionantes que demonstram a importância do cooperativismo para o engajamento do pequeno produtor. Entre os produtos comercializados, a banana é o carro-chefe da produção. Sozinha, a Cooperriso (Cooperativa dos Produtores de Hortifrutigranjeiros de Sorriso) é responsável pela venda de mais de R$ 400 mil por ano do produto. A Empaer (Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural) também já trabalha para o desenvolvimento das cadeias produtivas do peixe e do mel no assentamento, além da implantação de estufas para a produção de mudas.

O secretário de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), Silvano Amaral, fez um breve relato sobre as principais ações desenvolvidas pelo Governo do Estado em benefício do pequeno produtor. Entres as estratégias, o programa ‘Terra a Limpo’ que irá investir R$ 76,9 milhões na regularização de 165 glebas e 378 assentamentos, localizados em 87 municípios do Estado.

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) também já publicou edital para a contratação de 50 engenheiros que irão atuar na análise dos mais de 60 mil CARs (Cadastro Ambiental Rural), que hoje aguardam na fila de espera.

Também serão investidos R$ 5,2 milhões para a aquisição de patrulhas mecanizadas e equipamentos agrícolas. Os recursos já foram conveniados entre a Seaf e o Ministério da Agricultura. O Estado ainda avalia a possibilidade de investir outros R$ 5 milhões, ampliando a capacidade do programa e o número de produtores atendidos. A proposta seria promover um grande pacote para a mecanização do campo.

Silvano ainda aproveitou para anunciar em primeira mão, a decisão do governador Mauro Mendes em autorizar a regulamentação da lei nº 10.502, de 18 de janeiro de 2017, que criou o Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial, Familiar e de Pequeno Corte (Susaf). O objetivo é garantir autonomia aos municípios nos processos de licenciamento ambiental de pequeno porte.

Com a adesão ao serviço de inspeção municipal, o produtor receberá um selo certificando a procedência dos produtos, e consequentemente, a segurança alimentar da produção. Além de agregar valor, a certificação dará tranquilidade aos comerciantes na compra dos produtos, estimulando a abertura de novos mercados. A previsão é que o Susaf entre em vigor no prazo de 60 dias.

“Ao invés de vender in natura, vamos agregar valor. Com a entrada em vigor do Susaf daremos um grande passo nos avanços necessários para o resgate da autoestima do pequeno produtor. Tenho dito sempre, que as redes supermercadistas estão de portas abertas para os produtos da agricultura familiar, mas é preciso ter além de qualidade, organização. Mato Grosso é reconhecidamente um dos maiores produtores de commodities do Brasil, mas é o pequeno produtor quem coloca comida nas nossas mesas, e ele precisa ser tratado como tal”, inflamou Silvano.

O Dia de Campo foi uma realização da Prefeitura de Sorriso, com a parceria do IFMT (Instituto Federal de Mato Grosso), Seaf (Secretaria de Estado de Agricultura Familiar), Empaer (Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural), Cooperriso, as Associações de Apicultores e dos Produtores de Fruticultura, entre outros parceiros.