São Paulo e Corinthians adiam decisão para 2º jogo

0
Foto: Marcos Ribolli

O técnico Fábio Carille gostou da postura do Corinthians no empate por 0 a 0 contra o São Paulo, neste domingo, no Morumbi, mas não se vê em grande vantagem para decidir o título do Campeonato Paulistano próximo domingo, em Itaquera, diante da torcida do Timão.

Em entrevista coletiva após o clássico no Morumbi, Carille afirmou que o panorama de hoje é mais equilibrado do que o de 2018 – quando o Corinthians decidiu o Paulistão com o Palmeiras, perdeu o jogo de ida por 1 a 0 e tinha de decidir o título na casa do adversário (o Timão acabou com a taça).

– Em relação ao ano passado, perdemos em casa por 1 a 0 e fomos jogar com tudo contra. O Palmeiras tinha muita vantagem, agora está igual. Vantagem só da força da nossa torcida, sabe pressionar, mas é muito pouco para a grandeza do jogo – admitiu Carille.

Apesar do empate fora de casa, Fábio Carille admitiu que o Corinthians poderia estar jogando melhor a esta altura da temporada.

– O futebol não tem jeito, é coletivo. Para funcionar, requer tempo. A gente vê o São Paulo oscilando e na fase final crescendo, Santos fazendo ótimos jogos e tomando muitos gols em alguns jogos. No caso do Corinthians, de 36 jogadores, são 23 novos (…). A gente fica incomodado porque pode jogar mais, mas está dentro de uma normalidade. O Corinthians é muito detalhista em algumas situações. Isso requer tempo para acertar – explicou o técnico.

O segundo jogo da final será disputado no próximo domingo, em Itaquera, às 16h (de Brasília). Antes disso, o Corinthians tem o jogo de ida da quarta fase da Copa do Brasil contra a Chapecoense, quarta-feira, às 21h30, na Arena Condá.

– Conhecendo atletas, por tudo o que eu vivi dentro de campo, domingo vão estar com o tanque cheio de qualquer jeito. O que me preocupa alguns detalhes, parte muscular. Isso me preocupa mais – disse Carille.

Veja outras respostas de Fábio Carille:

Ansiedade pelo tri paulista

– Eu sei que é muito normal essa ansiedade, não gosto de ler muito, mas as notícias chegam. Mas eu não trato uma situação dessa, de Brasileiro de 2017 e Paulista de 2017 e 2018, não trato como peso. É um privilégio passar por esses momentos. Vamos trabalhar e pensar muito nesse campeonato que está tão valorizado, na Copa do Brasil, para depois voltar a pensar no São Paulo. É um privilegio grande ser técnico desse time. Ai eu me acalmo. Vamos por etapa e pensar na Copa do Brasil.

Atuação do VAR

– A gente tem de levar em conta que é o primeiro ano, alguns erros vão acontecer. Não vi (lance do Love), do Ralf também, mas o Love diz que vai na bola e esta impedido. Se vai para a bola está impedido. O próprio jogador relatou, está tudo certo. Do Ralf não sei. Depois vou ver.

Boa fase de Clayson

– É de muita personalidade. Para jogar em time grande precisa de personalidade, ele tem. Não tive conversa com ele em particular, mas a partir do momento que manifestei a vontade dele continuar foi um ponto forte. Ele desequilibra, tem o um contra um, uma bola parada boa. Está com confiança, por isso está jogando bem.