O governador Mauro Mendes (DEM) completou 100 dias de gestão nesta semana. Apesar de ainda não ter conseguido implementar todas as medidas que deseja, o democrata afirma que está “razoavelmente satisfeito com o desempenho do Governo até o presente momento”.

“Temos um planejamento a curto e a médio prazo já estabelecido. Eu não gosto de antecipar decisões, nem ficar vazando informações, mas tenho pra mim razoavelmente claro algumas estratégias que temos que implementar. Elas estão sendo desdobradas em alguns planos, algumas mudanças no cenário jurídico e legal de Mato Grosso, mas em tempo oportuno serão apresentadas. Até porque elas estão passando por uma fase de refinamento, apuração, mas estamos razoavelmente satisfeitos com o desempenho do Governo”, explicou o chefe do Executivo Estadual.

Mendes ressalta que, entre as principais medidas já implantadas está a efetividade das leis que foram aprovadas pela Assembleia Legislativa em janeiro deste ano.

“Conseguimos em janeiro apresentar e aprovar leis que mudam um pouco essa trajetória de alto crescimento da despesa muito acima do crescimento da receita. Estamos fazendo muitas ações internas de contenção de gastos também, cortando contratos desnecessários, diminuindo alugueis, entre outras coisas”, pontuou.

De acordo com ele, já ao final deste primeiro quadrimestre será possível perceber o reflexo das ações já em andamento no Estado. “Ao final do mês de abril vamos apresentar, no primeiro quadrimestre, os resultados importantes. Garanto que, finalizando o primeiro quadrimestre, iremos apresentar não só números internos do Governo, mas números contáveis, porque mais do que dizer, falam por nós os resultados que possamos colacionar de melhoria de arrecadação, diminuição de gasto, diminuição de folha. Então, precisamos de pelo menos quatro meses para que esses dados possam ser capturados de maneira mais consistente e precisa. Ao final de quatro meses iremos apresentar números que demonstram evolução do trabalho”, garantiu.

Apesar de apostar no resultado positivo, as medidas adotadas por Mendes geraram desgaste logo no início do seu mandato, principalmente porque atingiu diretamente aos servidores públicos estaduais e o setor do agronegócio.

Isto porque, aprovou junto a Assembleia Legislativa cinco projetos de leis que refere-se a Reforma Administrativa, o novo Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab), a alteração de competências no âmbito do MT Prev, a lei que prevê os critérios para a concessão da Revisão Geral Anual (RGA) dos servidores públicos, e a implantação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Além disso, ainda decretou estado de calamidade financeira, a fim de facilitar o recebimento de recursos federais. Paralelo a isso, se articulou nos bastidores para garantir a renegociação da dívida com o Bank Of America.

No mês passado o governador conseguiu a liberação de um crédito no valor de U$ 332 milhões junto ao Banco Mundial, o qual também foi avalizado pelo Legislativo Estadual.

O montante será utilizado para quitar a dívida do Estado junto ao Bank Of America, contraída no ano de 2012, o firmado com o Bank of America em 2012, na gestão do ex-governador Silval Barbosa, quando a intenção também era para pagar uma dívida do Estado.

Diante da aprovação do Parlamento Municipal, o Governo agora busca cumprir os demais tramites burocráticos para garantir a efetivação da operação financeira até julho deste ano.

Além das medidas viando o reequilíbrio fiscal de Mato Grosso, Mendes anunciou na semana passada anunciou a retomada ou início de 114 obras de infraestrutura, todas tocadas com recursos arrecadados do Fethab. Segundo o governador, o Estado já conta com R$ 100 milhões para a retomada das obras com prioridade de conclusão.