Caminhoneiros ameaçam nova paralisação dia 30 de março

0
Greve dos Caminhoneiros em Lucas do Rio VErde em 2018 - Foto: CenárioMT

Em 2018, caminhoneiros pararam o país, o movimento que teve intervenção de forças do Exército Brasileiro e Polícia Rodoviária Federal para desbloquear as rodovias causou a indisponibilidade de alimentos e remédios ao redor do país, escassez e alta de preços da gasolina, com longas filas para abastecer.

 


Continua depois da publicidade

Novamente, usando redes sociais, uma articulação está sendo enviada por meio de mensagens de WhatsApp, informando que uma nova paralisações poderá acontecer já no dia 30 de março.O governo Bolsonaro monitora a movimentações dos caminhoneiros, uma investigação do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) apontam que grupos de WhatsApp de caminhoneiros já começam a falar em paralisações no dia 30 de março.

O governo também está tentando evitar que uma nova manifestação sobre o assunto aconteça, porém admite que já trata das reivindicações: cumprimento do piso mínimo da tabela de frete, reajustes apenas mensais do preço do óleo diesel e estabelecimento de pontos de paradas e descanso para os transportadores.

Em 2018, a grande maioria dos caminhoneiros e dos simpatizantes à paralisação era amplamente favorável ao então candidato Jair Bolsonaro. A dúvida agora é saber como se comportariam os mesmos manifestantes durante a gestão do agora presidente da república, uma vez os cortes de estradas, fechamento de aeroportos e escassez extrema de combustíveis nos postos de gasolina provocou um verdadeiro caos – que se refletiu até mesmo do PIB (Produto Interno Bruto) do País.

-Continua depois da publicidade ©-

 

Jair Bolsonaro deve se manifestar sobre os pedidos dos caminhoneiros.

Em reunião com congressistas, o presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Carga (Sinditac) de Ijuí (RS), Carlos Alberto Litti Dahmer, disse que os caminhoneiros têm “sensação de abandono”. Fala que falta “resposta imediata” em relação “ao que foi conquistado” após a greve em maio de 2018. Litti não afasta a possibilidade de uma nova greve acontecer este ano.

 

A ANTT tá brincando com a gente. (…) As coisas na rua estão iguais a maio do ano passado. Essa sensação de abandono não é só no seu grupo, deputado. É em todos os grupos do país. As coisas estão esquentando, voltando aos patamares da greve do ano passado. Portanto, ações devem ser tomadas urgente[mente]”, afirmou.

 

As principais imagens que estão sendo divulgadas na internet informam o horário de 6h da manhã como início para os protestos. Uma das imagens difundidas em WhatsApp (abaixo) tem erro de português: paralisação com “z”.

 

;
;

 

A página no Facebook MOC Alerta, que tem 151.550 curtidas, divulgou 1 vídeo –que não é datado– em que 2 caminhoneiros reclamam do valor dos pedágios. Também dizem entregar reclamação ao Ministério Público sobre excessos das concessionárias –que decidem o valor da taxa.





-Patrocinador-