Numero de pessoas infectadas pelo ​Vírus da Imunodeficiência Humana, pode ser maior, pois muitos não sabem que tem HIV ou simplesmente não fazem o tratamento por medo de ser expostos ou até mesmo por vergonha. Todas as unidades de saúde da família, os PSF’s contam com equipe treinada para fazer o teste rápido, que além de sigiloso é seguro.

De acordo com dados atualizados pela Secretária de Saúde do município de Lucas do Rio Verde-MT, os pacientes atendidos gira em torno de 167, com acompanhamento contínuo. A faixa etária dos pacientes compreende desde adolescentes de 14 anos até idosos de 60 anos.

No ano de 2017 a equipe da secretaria de saúde acompanhava 7 casos de crianças expostas ao vírus HIV. Já em 2019 somente um paciente. Também em 2017 havia três gestantes em acompanhamento; já no ano passado o numero caiu para um caso e em 2019 ainda não ouve registro.

Ao longo do ano, a prefeitura, através da Secretaria de Saúde, realiza campanhas de conscientização para o uso de preservativos e métodos contraceptivos, inclusive com orientações e palestras nas unidades de saúde e também nas escolas. Uma equipe específica do Nasf (Núcleo de Apoio a Saúde da Família) faz visitas constantes nas unidades escolares e propõe orientações aos adolescentes para que os cuidados sejam tomados desde cedo.

PREVENÇÃO

Pare, pense e use camisinha. Esse é o slogan da campanha de combate ao HIV lançada hoje (22) pelo Ministério da Saúde. O foco, este ano, são homens jovens, com idade entre 15 e 34 anos. Dados da pasta revelam que 73% das novas infecções contabilizadas no país são registradas entre pessoas do sexo masculino. Do total de novas infecções entre os homens, 75% são na faixa etária de 15 a 39 anos.



Atualmente, cerca de 866 mil pessoas vivem com HIV no Brasil. Dessas, 694 mil foram diagnosticadas, enquanto 172 mil não sabem que são soropositivas. Um em cada cinco novos casos de infecção ocorre entre homens de 15 a 24 anos.

O uso da camisinha nessa faixa etária, segundo o ministério, vem caindo. Em 2004, o índice era de 58,4% entre os que têm parceiros eventuais e, em 2013, passou para 56,6%. Já entre os que têm parceiros fixos, a queda foi ainda maior – de 38,8% em 2004 para 34,2% em 2013.

Jovens de 15 a 24 anos também são os que menos se tratam após o diagnóstico. Os números mostram que 44% dos 22 mil brasileiros diagnosticados com HIV nessa faixa etária não estão em tratamento antirretroviral.