Brasil participa na Polônia de negociações sobre paz no Oriente Médio

0

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, está na Polônia para participar hoje (13) de reunião ministerial, com a presença de representantes de 60 países, em que o tema central é a discussão sobre a propmoção da paz e segurança no Oriente Médio. As conversas se estendem até amanhã (14) em Varsóvia. O chanceler retorna ao Brasil na sexta-feira (15).

Os anfitriões são o secretário de Estado dos Estados Unidos (EUA), Mike Pompeo, e o ministro das Relações Exteriores da Polônia, Jacek Czaputowicz. Além de Araújo, são esperados o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

O esforço é de buscar alternativas para a construção da paz no Oriente Médio. A iniciativa foi anunciada na primeira quinzena de janeiro pelo secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.

Grupo do CenárioMT no WhatsApp 

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  ENTRAR NO GRUPO

“Será um fórum para os países abordarem uma série de questões críticas em direção a um Oriente Médio mais pacífico”, afirmou Pompeu, em sua conta no Twitter.

Bilaterais

Paralelamente, Araújo pretende se reunir com as delegações do Reino Unido e da Argentina. O chanceler britânico, Jeremy Hunt, será um dos poucos chanceleres europeus a participar do encontro. A maior parte dos países da região enviará representantes para as discussões.

  MPF trabalhará para demarcação de terras indígenas

As conversas com o chanceler britânico ocorrem às vésperas da saída do Reino Unido do bloco União Europeia (UE). A expectativa, segundo negociadores brasileiros, é intensificar as relações comerciais bilaterais.

Com o ministro das Relações Exteriores da Argentina, Jorge Faurie, Araújo deve dar prosseguimento a conversas já iniciadas pelos presidentes Jair Bolsonaro e Maurício Macri – primeiro chefe de Estado estrangeiro a visitar o Brasil após a posse de Bolsonaro.

Maiores sócios no Mercosul, Argentina e Brasil buscam avanços em negociações do bloco e maior promoção de acordos bilaterais para o comércio entre os dois países.

Edição: Graça Adjuto