Força tarefa fiscaliza usina de Manso e mais 13 classificadas como ‘dano potencial alto”

0
Foto: Rogério Florentino/ Olhar Direto

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) inicia na terça-feira (12), uma força- tarefa para fiscalizar barragens classificadas como “Dano Potencial Alto”, em 142 usinas hidrelétricas de 18 estados, além do Distrito Federal. Em Mato Grosso, 14 usinas, incluindo a de Manso, devem passar por fiscalização. A estimativa é que essa primeira etapa da ação seja concluída até maio. Ao todo, 335 empreendimentos devem ser vistoriados até o final de 2019.

Além da usina de Manso, de  Itiquira (Casas de Forças I e II), Primavera, Juína, Salto, São Lourenço, Ombreiras, Figueirópolis, Bocaiúva, Graça Brennand, Pampeana, Juba I, Poxoréo e Inxú deverão passar pela primeira etapa de fiscalização.

Leia mais
Peixes são encontrados mortos após abertura de comporta de usina hidrelétrica; Sema apura

Em reunião realizada na quinta-feira (5) com as agências reguladoras estaduais conveniadas de São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goiás, a ANEEL definiu como será realizada a fiscalização. A Agência vai inspecionar com equipe própria e apoio de agentes credenciados barragens de 71 usinas de maior dano potencial. As outras 71 usinas serão fiscalizadas pelas Agências Estaduais conveniadas de cada região.

A fiscalização da Agência caracteriza as barragens por dois critérios: dano potencial alto e risco. No dano potencial alto são compreendidos os seguintes aspectos: barragens com grandes reservatórios; existência de pessoas ocupando permanentemente a área a jusante da barragem; área a ser afetada apresenta interesse ambiental relevante ou é protegida e existência de instalações residenciais, comerciais, agrícolas, industriais de infraestrutura e serviços de lazer e turismo na área que seria afetada. No critério de risco são avaliados: a documentação do projeto, qualificação técnica da equipe de segurança de barragens, roteiros de inspeção de segurança e monitoramento; regra operacional dos dispositivos de descarga da barragem e relatórios de inspeção de segurança com análise e interpretação.

É importante destacar que “Dano Potencial Alto” é uma classificação que diz respeito à área afetada pela usina – se é densamente povoada, por exemplo – e não às suas condições estruturais.

A ANEEL já fez vistorias presenciais em 122 usinas entre 2016 e 2018. Essas instalações voltarão a ser inspecionadas esse ano na segunda etapa da força-tarefa, após maio. Além das vistorias presenciais, em cumprimento às deliberações da Resolução do Conselho Ministerial de Supervisão de Respostas a Desastres, a ANEEL está determinando a todas as usinas que fiscaliza, inclusive as que são avaliadas como de menor risco, a atualização do Planos de Segurança de Barragens e do Plano de Ação Emergencial. Nesse caso, para reforçar o comprometimento com as informações apresentadas, a ANEEL passou a exigir que os documentos sejam assinados não somente pelo responsável técnico, como também pelo presidente da empresa.

Entre as usinas que serão visitadas até maio, estão as de Americana e Pirapora, ambas em São Paulo. O objetivo, nesse caso, é verificar se as usinas implementaram as melhorias determinadas pela fiscalização da agência paulista de regulação ARSESP, feita em convênio com a ANEEL. As usinas passaram por uma última vistoria em agosto de 2018.

Confira aqui a lista das 142 usinas a serem fiscalizadas até maio.