Governo busca facilitar captação de recursos internacionais pelo PCI

A Estratégia PCI é uma iniciativa do Governo de Mato Grosso com a participação de instituições de diferentes setores da sociedade, que estabelece uma visão de futuro onde o desenvolvimento esteja integrado ao sustentável.

0

Para facilitar a captação de recursos internacionais por meio de ativos ambientais, o Governo do Estado realizou uma reunião nesta quarta-feira (06.02), no Palácio Paiaguás, com representantes do programa Produzir, Conservar e Incluir (PCI), do Banco Mundial e da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD).

Segundo o diretor-executivo do PCI, Fernando Sampaio, a reunião serviu para demonstrar a necessidade de criação de um mecanismo financeiro para gestão e captação de recursos por meio de parcerias internacionais.

“Atualmente, o PCI é um programa, uma política pública, e a captação dos recursos depende de parcerias com as secretarias de Estado. Nossa intenção é buscar meios que facilitem essa captação e gestão de recursos estrangeiros. Para isso, é necessário que o PCI seja transformado em pessoa jurídica”, explicou Sampaio.

O vice-governador Otaviano Pivetta pontuou que a iniciativa ainda não tem exemplos em outros Estados e, por isso, seria importante buscar informações em outros países.

“O Estado pode se tornar um exemplo nacional para iniciativas como essa, que visam a preservação ambiental, principalmente, pelo fato de que possui biomas diversos em seu território, como Pantanal, Cerrado e Floresta Amazônica”, comentou.

O secretário da Casa Civil, Mauro Carvalho, afirmou que o Governo vê a iniciativa do PCI com bons olhos, uma vez que trata da captação de recursos em um momento de dificuldades financeiras para o Estado.



“Vamos buscar a melhor forma de resolver, já que o Estado tem grande interesse nesse assunto. Também queremos manter conversas com o Banco Mundial e a AFD, por acreditarmos que parcerias como essa são muito importantes”, disse Carvalho.

Participaram da reunião os representantes do Banco Mundial Cornelius Fleishhaker, Alexandre Kossoy e Giovanni Ruta; da AFD, Phillippe Orliange e Laure Schalchli; da Assessoria Internacional da Casa Civil, Rita Chiletto e Manoela Froes; além de funcionários da Casa Civil.