Governo do Rio Grande do Sul enviará proposta de privatizações nesta terça-feira

0

O plano de ajuste fiscal do Rio Grande do Sul será entregue hoje (5) à Assembleia Legislativa do estado, disse hoje (4) o governador Eduardo Leite. Ele admitiu que a proposta inclui privatizações, mas não detalhou quais estatais serão vendidas. Segundo ele, a informação será passada primeiramente aos deputados estaduais gaúchos.

Segundo Leite, que se reuniu com o ministro da Economia, Paulo Guedes, a proposta também buscará reestruturar as despesas do estado, principalmente os gastos com pessoal. Ele também não deu detalhes, mas disse que, o estado tem um rombo estrutural de quase R$ 2 bilhões por ano, que depende de reformas para ser reduzido.


“Excetuado precatórios [dívidas que a Justiça mandou pagar], excetuado dívida com a União, excetuado despesas de exercícios anteriores, excedemos em quase R$ 2 bilhões por ano o que temos de receitas. Ou seja, vamos ter que atacar essas despesas. Entre elas, a maior é a Previdência [dos servidores estaduais]”, disse o governador. Leite comprometeu-se em articular a bancada gaúcha no Congresso Nacional para aprovar a reforma da Previdência, classificando a proposta como essencial para reequilibrar as contas do estado.

Plano de ajuste

Acompanhado de secretários estaduais, o governador apresentou a Guedes e à equipe econômica o plano de ajuste das contas locais, necessário para que o Rio Grande do Sul entre no regime de recuperação fiscal, programa que auxilia estados com dificuldades financeiras e que atualmente beneficia apenas o Rio de Janeiro. Leite esclareceu que o governo não está pedindo a alteração da Lei de Responsabilidade Fiscal e nem da lei que criou o programa de recuperação.

“Não estamos pedindo alteração na legislação. Queremos mostrar que o estado está se enquadrando nos critérios e aí queremos avançar na construção do próprio plano [de ajuste fiscal]”, disse Leite. O regime de recuperação fiscal concede três anos de suspensão do pagamento das dívidas com a União e permite que os estados contraiam empréstimos nos bancos com garantia do Tesouro Nacional em troca de um programa de ajuste fiscal que envolva alta de impostos, corte de gastos e privatizações.

  Comissões do Senado reiniciam atividades sob novos comandos

Gastos com pessoal

Atualmente só podem pedir adesão ao regime de recuperação fiscal estados cuja dívida líquida ultrapasse as receitas correntes líquidas (RCL), cujo serviço da dívida com a União mais os gastos com pessoal ultrapassem 70% da RCL. O regime também exige que o estado tenha disponibilidade de caixa insuficiente para cobrir as despesas previstas. Segundo Leite, o estado só não se enquadra na segunda condição porque o governo local, até agora, contabilizava os gastos com pessoal de forma diferente dos critérios do Tesouro Nacional.

Com aval do Tribunal de Contas local, o governo gaúcho republicará os gastos com pessoal de forma a incluir despesas que estavam fora da conta, como gastos com terceirizados e pensionistas. A mudança na forma de registro faria a despesa saltar de 58% para 70% da RCL, permitindo o enquadramento nas condições de adesão ao programa de recuperação fiscal.

Leite, no entanto, disse que a publicação dos gastos com pessoal só será feita após as negociações do plano de ajuste fiscal do estado avançarem com a equipe econômica. Isso porque, após a divulgação dos números revisados, o governo do Rio Grande do Sul terá apenas oito meses para reenquadrar-se nos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal, que estabelece teto de 60% da RCL de gastos com o serviço público local para Executivo, Legislativo, Judiciário e Ministério Público. A aprovação do plano de ajuste pelo Tesouro e a adesão ao programa de recuperação fiscal, ressaltou o governador, são essenciais para reequilibrar as finanças do estado.

Edição: Fábio Massalli