Estados Unidos e Israel oficializam saída da Unesco

0

Com a chegada de 2019, os Estados Unidos e Israel oficializaram sua saída da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

A decisão de deixar a instituição, que faz parte do sistema das Nações Unidas, foi anunciada em 2017, mas ganha efeito concreto a partir de hoje (1º). De acordo a rede pública alemã Deutsche Welle, os governos dos dois países justificaram a decisão citando o que alegam ser um viés contrário a Israel e suas políticas adotado pela organização.


Na ocasião do anúncio, o governo dos Estados Unidos divulgou comunicado mencionando o que chamou de “viés contínuo anti-Israel da Unesco” e a “necessidade de reformas na Instituição”. No comunicado, a administração Trump disse que continuaria acompanhando os trabalhos do órgão, mas na condição de observador não membro.

Logo após a notícia, a diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, lamentou a decisão. “No momento em que a luta contra o extremismo violento exige um renovado investimento na educação, no diálogo entre as culturas para evitar o ódio, é profundamente lamentável que os Estados Unidos se retirem da agência das Nações Unidas que lidera essas questões”, disse, em comunicado oficial.

  John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras

A controvérsia entre as duas nações e a instituição vem desde o início da década. Em 2011, a Unesco reconheceu a Palestina como Estado independente. Naquele ano, os Estados Unidos pararam de repassar as cotas como Estado-membro. Desde então, o país está na condição de integrante da Unesco, mas sem exercício de voto por não contribuir financeiramente com a instituição.

Segundo a Deutsche Welle, o governo de Israel também reduziu os repasses de recursos às Nações Unidas, especialmente após decisões da Unesco relacionadas a locais reconhecidos como patrimônios do povo palestino.

Edição: Nádia Franco