Convidados não contiveram euforia no Palácio do Planalto

0

A espera pelo presidente Jair Bolsonaro deixou ansiosos os convidados que ocupavam o Salão Nobre do Palácio do Planalto. Aos poucos, figuras proeminentes do novo governo ocupavam seus lugares. Alguns ministros, como Onyx Lorenzoni (Casa Civil)  e Gustavo Bebbiano (Secretaria-Geral) conversavam com jornalistas, enquanto outros, como Sérgio Moro, batiam papo com convidados.

Um dos filhos do presidente, Eduardo Bolsonaro, deputado federal campeão de votos pelo PSL de São Paulo, era requisitado para tirar fotos. Já sua colega de bancada Joyce Hasselmann (SP) fazia vídeos com seu celular. Ela fez vídeos sozinha e com o governador eleito de São Paulo, João Dória.

Animados, os convidados aplaudiam e vibravam a cada gesto do novo presidente da República, transmitido em um telão instalado no segundo andar. O constante senta e levanta se assemelhava a uma coreografia, protagonizada por centenas de homens de terno e gravata e mulheres com vestidos de festa, joias e penteados.

Foi nesse clima descontraído que o presidente Michel Temer deixou sua sala no 3º andar, sob aplausos corteses dos cerca de 480 presentes. Ele estava acompanhado de sua esposa, Marcela Temer, e de vários de seus ministros. Temer usava a faixa presidencial em público pela primeira vez. Em outra oportunidade, ele apenas a usou para tirar fotos oficiais.

A discrição da chegada de Temer contrastou com a explosão de euforia na chegada de Bolsonaro. Sob os gritos de “mito”, ele entrou pela primeira vez no Palácio do Planalto como presidente da República. Após passar a faixa a seu sucessor, o agora ex-presidente deixou, discretamente, o Palácio do Planalto pela última vez.

O início do governo Jair Bolsonaro, marcado por seu discurso no parlatório, foi muito celebrado no Salão Nobre. Assim como os milhares de populares na rua, o público no Palácio do Planalto se manifestou por vários momentos do discurso do presidente eleito. Vibrou com o beijo da primeira-dama no presidente e engrossou, em uníssono, o coro que vinha das ruas: “eu vim de graça”.

Após o discurso, vários convidados foram embora, mas a maioria continuou para prestigiar a posse dos ministros. Aplaudidos como celebridades, Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública), Paulo Guedes (Economia) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) se destacaram entre os empossados. Foram os últimos aplausos acalorados em uma tarde de festa e comemoração naquele que, a partir de amanhã, será o quartel-general do governo de Jair Bolsonaro.

Edição: Fábio Massalli