Mostra apresenta trabalhos desenvolvidos pelos TDI’s nas creches e CMEI’s de Cuiabá

0

Técnicos de Desenvolvimento Infantil (TDI’s) da rede pública municipal de educação de Cuiabá apresentam nesta terça-feira (6), no auditório do Museu Rondon e no hall do Instituto de Linguagem, no campus da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), os trabalhos de conclusão do ciclo de formação de Professores para Educação Intercultural.

A mostra faz parte da programação da 6ª edição do SemiEdu – Seminário da Educação 2018, cuja temática central é “Diálogos entre Políticas Públicas, Formação de Professores e Educação Básica”.  Promovido pela UFMT, o evento é considerado como um dos mais importantes de educação, da região Centro-Oeste.


A exposição reúne 50 banners e relatos de experiências das pesquisas e práticas realizadas pelos profissionais, sobre a temática: Povos Indígenas e Educação Intercultural. “Essa temática foi trabalhada durante a formação coordenada pelo Grupo Corpo, Educação e Cultura, o Coeduc, em parceria com a Prefeitura de Cuiabá e levada para as salas de aulas das unidades de creche e Centros Municipais de Educação Infantil na forma de projetos de vivência que em alguns casos envolveram toda a escola”, explicou a assessora pedagógica da Coordenadoria de Formação, da Diretoria de Ensino da Secretaria de Educação de Cuiabá, Eliane de Castilho Lirio.

De acordo com a assessora pedagógica, a mostra facilita a articulação e cria um espaço para troca de experiências e socialização do conhecimento, contribuindo com o intercâmbio técnico-científico entre pesquisadores, professores e acadêmicos, um dos objetivos centrais do evento, o Seminário de Educação – SemiEdu 2018 -, e os eventos que acontecem paralelamente.

Ciclo de formação semelhante vem acontecendo desde 2016. O primeiro grupo reuniu professores de Arte e de Educação Física. No ano seguinte, se juntaram ao grupo os articuladores do Mais Educação e este ano, mais 200 Técnicos em Desenvolvimento Infantil.

Em 2018, a formação teve como foco o povo bororo por conta dos 300 anos de Cuiabá.

“É o resgate da ancestralidade cuiabana já que o povo bororo habitava predominantemente a região de Cuiabá e Várzea 
Grande e, por muito tempo, essa realidade ficou esquecida no passado. A comunidade no geral e a escola ignoravam essa cultura como currículo e por meio da lei 11.645, a cultura dos povos indígenas passou a ser obrigatória no ensino básico e a SME junto com Coeduc, privilegiou o povo bororo como protagonista no processo de formação da cidade, espelhando isso, nos 300 anos da Capital”, salientou Eliane.

  Idoso com Alzheimer desaparece após sair para passear com cachorro em Cuiabá

 

Vivências

Uma das experiências que faz parte da mostra vem sendo desenvolvida desde 2016 no CMEI Profª. Adir de Figueiredo. Localizada na 1ª etapa do bairro Pedra 90, a unidade escolar possui um redário, herança cultural dos povos indígenas, que acolhe as crianças da pré-escola a creche, e também da comunidade.  

O projeto ganhou força e foi ampliado para outras vivencias, jogos e brincadeiras do povo bororo, culminando com a construção de uma oca, ainda provisória, mas que deve se tornar um espaço permanente da unidade escolar.

Também faz parte da mostra o trabalho desenvolvido na unidade de creche Elzira Cavalcante da Silva, localizada no distrito do Sucuri, com o ‘cabo de força com bebes’, que auxilia o desenvolvimento de habilidades, movimento, equilíbrio e coordenação motora.  

Os trabalhos que estão sendo apresentados na VII Mostra Corpo, Educação e Culturas, cujo tema é Educação Intercultural e Políticas de Formação de Professores em Mato Grosso, serão reapresentados durante o II Seminário de Educação e III Seminário Integrador da Rede Municipal de Educação, que acontece no período de 27 a 30 de novembro, no Hotel Fazenda Mato Grosso.

 

Serviço

Dia 06/11

Local: Auditório do Museu Rondon e hall do Instituto de Linguagem – Campus da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Horário: 07 às 11h30 e das 13h30 às 17 horas.

 

 

 

 

 


| deixe sua opinião |

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui