Mortes em rodovias federais caíram 15% neste ano, registra PRF

0

As mortes em acidentes em rodovias federais caíram 15% neste ano na comparação com 2017. O balanço, que levou em consideração dados de janeiro a setembro, foi divulgado pela Polícia Rodoviária Federal hoje (31), em Brasília. As ocorrências com falecimentos tiveram redução de mais de 4,5 mil para 3,9 mil entre o ano passado e este.

Já o número de feridos foi 10% menor no mesmo período, totalizando 56,2 mil até setembro. Os acidentes graves diminuíram 7%, somando 12,9 mil. A maior queda em termos percentuais foi nos acidentes normais, cujo número foi 22% abaixo do que no período de janeiro a setembro de 2017 e ficou em 51,9 mil.


Em relação à meta de redução em 50% do número de mortes no trânsito entre 2011 e 2020, definida em resolução da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), até este ano a queda projetada havia chegado a 35,6%. Para atingir o objetivo, ainda faltariam 15% em dois anos, o que demandaria um ritmo de diminuição mais intenso do que nos anos anteriores.

Motivos

Entre os principais motivos para os acidentes, segundo o levantamento da PRF, estiveram a falta de atenção à condução (22%), a desobediência às normas de trânsito (13%), velocidade acima do permitido (12%), falta de atenção do pedestre (11%) e consumo de álcool (5%).

O diretor da PRF, Renato Dias, chamou a atenção para o fato de a desatenção ter um novo fator: o uso do Whatsapp. Segundo ele, há uma diferença importante do aplicativo em relação aos telefones celulares na atitude dos condutores. “A desatenção se agravou muito com Whatsapp. Antes o motorista usava o celular mas não tirava o olhar do volante. Com o mensageiro, ele tira o olhar”, comparou.

Fiscalização e crimes

Nas ações de fiscalização, 7 milhões de veículos e 7 milhões de pessoas foram averiguados. No combate ao consumo de álcool durante a direção, 1,2 milhão de testes do bafômetro foram realizados. Em razão de irregularidades encontradas, 25,2 mil pessoas foram detidas.

  Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções

Em relação aos crimes, o balanço da Polícia Rodoviária registrou a apreensão de 230 toneladas de maconha, 14 toneladas de cocaína, 87 milhões de maços de cigarro, 5 mil veículos, 1,2 mil armas e 142,8 mil munições.

Mais funcionários

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, informou que para melhorar a fiscalização e atingir as metas estabelecidas há a necessidade de contratação de mais policiais rodoviários. Ele informou que o concurso anunciado no primeiro semestre, com 500 vagas, está em fase de realização e as provas devem ocorrer no início do ano. “É preciso ampliar os recursos para a PRF e seu efetivo, pois ele permanece restrito para a dimensão da tarefa. Nós temos a quarta maior malha rodoviária do mundo”, defendeu Jungmann.

Segundo ele, seriam necessários ainda mais 2 mil a 2,5 mil novos agentes para dar recompor o efetivo da Polícia Rodoviária Federal. Hoje o quadro da corporação conta com 9,9 mil funcionários.

Novo ministério

Jungmann comentou a possibilidade de reincorporação do Ministério da Segurança Pública ao Ministério da Justiça, que está em debate na equipe de transição do governo. Segundo o titular, a pasta foi criada por lei e gerou um legado para estruturar o setor, bem como o Sistema Único de Segurança Pública (SUSP).

“Estamos deixando legado único. Temos ministério por lei, Sistema Único de Segurança Pública, uma Política Nacional de Segurança Pública e temos recursos carimbados e crescentes. Você tem tudo aqui para dar um rumo à segurança pública. Se o ministério se funde é algo que cabe ao governo eleito”, comentou.

Sobre o convite para o juiz Sérgio Moro para ser titular do MJ na gestão de Jair Bolsonaro, Jungmann afirmou que é um nome com “qualidade”, “capacidade” e “respeito dos brasileiros”.

Edição: Sabrina Craide