Moro e Bolsonaro conversam na quinta sobre convite para compor equipe

0

O juiz Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na prirmeira instância, reúne-se nesta quinta-feira (1º) de manhã com o presidente eleito Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro.

Convidado para assumir o Ministério da Justiça ou, futuramente, uma vaga no Supremo Tribunal Federal, Moro conversa pessoalmente, pela primeira vez, com Bolsonaro, depois da vitória deste no último domingo (28).


Há informações sobre a possível transformação do Ministério da Justiça em uma superpasta, agregando Segurança Pública, Controladoria-Geral da União e Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), mas a fusão das áreas não foi confirmada oficialmente.

Moro agradeceu ontem (30) o convite para integrar a equipe do presidente eleito, afirmando que estava “honrado” pela lembrança e que “refletiria” sobre o assunto. “Caso efetivado oportunamente o convite, será objeto de ponderada discussão e reflexão.”

Especialistas que acompanham o processo político afirmam que ocupar o Ministério da Justiça representa uma espécie de rito de passagem para, futuramente, ser nomeado para o Supremo.

Nos quatro anos de mandato presidencial, Jair Bolsonaro poderá fazer duas indicações ao Supremo. A primeira oportunidade será em novembro de 2020, quando o ministro Celso de Mello, decano da Corte, completa 75 anos e será aposentado compulsoriamente. No ano seguinte, será a vez do ministro Marco Aurélio deixar a Corte.

  Condomínio de Bolsonaro no Rio vira local turístico

Perfil

Moro, de 46 anos, procura ser discreto nas atitudes, mas ganhou notoriedade ao comandar, há quatro anos, o julgamento em primeiro instância do processos relativos à Operação Lava Jato, nos quais foram envolvidos nomes como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro José Dirceu, empresários e parlamentares.

O escândalo relativo aos desdobramentos da Lava Jato é considerado um dos mais complexos casos de corrupção e lavagem de dinheiro no país.

No ano passado, Moro condenou Lula a nove anos e seis meses de prisão. Foi a primeira condenação de um ex-presidente da República. A decisão foi ampliada em segunda instância, e o ex-presidente agora cumpre pena em Curitiba, desde abril.

Bolsonaro não definiu se unirá Agricultura e Ambiente, diz ruralista