Eleitores usam criatividade para manifestar voto

Simpatizantes mostram preferências sem infringir a lei

0

Os eleitores dos candidatos à Presidência, Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), adotaram hoje (28) formas criativas, sem infringir a legislação eleitoral, para manifestar o voto neste segundo turno. Simpatizantes do petista, levaram livros para os postos de votação, enquanto os apoiadores do adversário foram vestidos de verde e amarelo.

Eleitores em frente à casa Bolsonaro no Rio Tânia Regô/AgenciaBrasil

Em frente ao condomínio onde mora Bolsonaro, no Rio de Janeiro, simpatizantes se revezam no local. Com bandeiras do Brasil, vestidos de verde e amarelo e alguns com a camisa da Seleção Brasileira de Futebol, os eleitores se mostram otimistas.


“A expectativa é a que ouvi das ruas ao longo dos últimos meses, a de vitória”, disse Bolsonaro dentro da seção durante a votação.

Ambulantes em frente à residência do candidato do PSL aproveitaram a oportunidade para colocar à venda camisas e bandeiras. O esquema de segurança na frente do condomínio permanece com grades, policiais militares, guardas municipais e homens de segurança privada.

Para a imprensa, foi organizada uma tenda em frente ao canteiro central da Avenida Lúcio Costa.

  Bolsonaro toma café da manhã com comandante da Marinha

Outro lado

Simpatizantes de Haddad levaram livros às seções eleitorais. É uma alusão ao discurso do candidato, que durante a campanha, afirmou que o país “precisa de livros, não de armas” em contraposição ao adversário, que defende a liberação do porte. Adultos, jovens e crianças aderiram à “campanha”. O apelo foi feito também pelas redes sociais.

Em Indianópolis, em São Paulo, onde vota o candidato do PT, ele foi recebido por eleitores com rosas brancas e vermelhas e livros nas mãos. Haddad retribuiu, agradecendo, cumprimentando e fazendo o sinal da vitória ao lado da mulher Ana Estela.

Nas redes sociais, correligionários e celebridades postaram suas fotos a caminho da votação e os livros. Ontem (27), Haddad pediu que o eleitor votasse com um livro na mão. “Deixa o ódio pra lá. Urna é lugar de depositar esperança.”

Edição: Talita Cavalcante