Brasil mantém cerca de 600 ações de cooperação no exterior

0

O acordo para a implantação do primeiro Banco de Leite Humano em Moçambique, cuja inauguração acontece nesta sexta-feira (26), na capital Maputo, é apenas um dos inúmeros exemplos da agenda de cooperação desenvolvida pelo Brasil junto a órgãos internacionais e países espalhados por todo o mundo.

Previsto na Constituição Federal, o princípio da cooperação com outros povos para o progresso da humanidade deve reger as relações internacionais brasileiras. No Brasil, essa agenda é desenvolvida pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC), vinculada ao Ministério das Relações Exteriores (MRE).


“A gente não chega com soluções prontas. A gente compartilha ideias e constrói projetos juntos, de acordo com as necessidades específicas de cada país”, explicou o analista da ABC, Bruno de Amorim Maciel. Ele afirmou ainda que as ações fortalecem a imagem do Brasil no exterior.

Iniciativas

De acordo com a ABC, o Brasil tem atualmente cerca de 600 iniciativas de cooperação em curso, entre ações prestadas ou recebidas pelo País. O grande destaque são os projetos de cooperação Sul-Sul, aqueles firmados com as nações em desenvolvimento da África, América Latina, Ásia, Caribe, Oceania e Leste Europeu.

Países da África, seguidos da América Latina e do Caribe, são os principais parceiros brasileiros das iniciativas de cooperação Sul-Sul. No total, 42 nações africanas e 32 das Américas participaram de projetos de colaboração internacional envolvendo o Brasil em 2017. Apenas no ano passado, a ABC coordenou 483 ações nas mais variadas áreas.

Américas

Somente com os países das Américas do Sul e Central, Caribe e Leste Europeu, foram 138 ações realizadas. O Haiti foi um dos principais beneficiados das iniciativas com participação brasileira, com destaque para os projetos de reforço da gestão dos serviços e do sistema de saúde e do centro de formação profissional, ambos financiados com recursos do Fundo para Reconstrução do Haiti (FRH).

Outra importante ação envolvendo o Brasil e países vizinhos é o programa de cooperação em segurança pública na região de fronteira, desenvolvido ao lado de Bolívia, Paraguai e Peru, com possibilidade de ser estendido a outros países. Além disso, no âmbito da Defesa, o Brasil apoiou atividades de formação de militares da Bolívia, Paraguai, Suriname e Guiana.

  Caixa registra lucro de R$ 4,8 bilhões no terceiro trimestre

Palop e Timor Leste

Outro foco das iniciativas brasileiras de cooperação são os países da África de língua oficial portuguesa (Palop) e Timor-Leste. De 1998 a 2017, 512 ações coordenadas pela ABC foram executadas com as seis nações que fazem parte do grupo: Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

Apenas em 2017, foram 76 ações de cooperação técnica bilateral. A área de saúde é a prioridade dessas ações, que envolvem projetos voltados ao diagnóstico de doenças sexualmente transmissíveis (Guiné-Bissau), prevenção e controle do câncer (Angola) e a compra de equipamentos e insumos para o Laboratório Nacional de Referência em Tuberculose (São Tomé e Príncipe).

Relações multilaterais

Além desses projetos, o Brasil também desenvolve acordos de cooperação técnica nas áreas de defesa e diplomacia (como o treinamento de militares estrangeiros); com a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP); com mais da metade dos países africanos e, em menor escala, com nações da Ásia, Oceania e Oriente Médio, com destaque para as áreas de agricultura, pecuária, saúde, educação e formação profissional.

Há ainda acordos de cooperação trilateral com organismos internacionais. No ano passado, foram 39 projetos em execução no âmbito da cooperação Sul-Sul, em benefício de 14 países da América Latina e Caribe e nove da África. O Brasil também mantém ações de cooperação técnica multilateral, abrangendo mais de 30 organismos e organizações internacionais, entre eles a Organização das Nações Unidas (ONU), a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC) e o Mercado Comum do Sul (Mercosul), entre outras entidades.

Perfil

A Agência Brasileira de Cooperação foi criada em 1987, com a missão de coordenar as ações de cooperação técnica promovidas pelo governo federal. Ao longo de seus 31 anos de existência, a ABC já promoveu cerca de 4 mil ações em conjunto com 108 países de todo o mundo. Saúde, educação, agricultura, meio ambiente, segurança, formação profissional, segurança alimentar e nutricional, energia, urbanização e cultura são as principais áreas de atuação dessas iniciativas.





| deixe sua opinião |

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui