Indea apresenta avanços no Plano Estratégico 2017-2026 a médicos veterinários

Indea apresenta avanços no Plano Estratégico 2017-2026 a médicos veterinários

0

O Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso e a Equipe Gestora do Plano Estratégico Estadual do Programa Estadual de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa 2017-2026 realizaram o I Fórum Estadual do PNEFA, nesta sexta-feira (19.10), na Superintendência Federal de Agricultura em Mato Grosso (SFA/MT), em Várzea Grande.

O Fórum teve como objetivo a divulgação das metas e operações do plano para todos os médicos veterinários oficiais, responsáveis pelas Unidades Veterinárias Locais do Indea, instituições de ensino e pesquisa, iniciativa privada e conselhos de classe.


Mato Grosso integra o Bloco V do Plano Estratégico 2017-2016 do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), em que última vacinação contra a febre aftosa deve ser realizada em maio de 2021. Porém, cerca 740 propriedades rurais, localizadas nos municípios de Rondolândia, Colniza, Comodoro e Juína, integrarão a zona livre de febre aftosa sem vacinação, junto com os estados do Bloco I (Acre e Rondônia), já em 2019.

De acordo com a presidente do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT), Daniella Bueno, com a retirada da vacinação o serviço veterinário oficial vai intensificar as ações de vigilância e educação sanitária. “Com a retirada da vacinação a nossa atenção será para a vigilância do trânsito e vigilância ativa, além de contarmos com o apoio dos produtores que serão fundamentais para a manutenção da zonificação”.

Um estudo semelhante está sendo realizado em conjunto com o Pará, integrante do Bloco II, que tem previsão para a retirada da vacinação em maio de 2020. Só na divisa com o Pará, são cerca de 10 municípios mato-grossenses, alguns com barreiras naturais que impedem o trânsito de animais, porém, a maioria com barreira seca e permeabilidade de trânsito. Após a conclusão dos trabalhos na região, o estudo será apresentado ao Mapa para avaliar a composição de zona livre de febre aftosa sem vacinação.

Para o diretor da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato), Antônio Carlos Carvalho de Sousa, o avanço no programa é resultado de longos anos de combate à febre aftosa. “É uma satisfação muito grande poder chegar nessa conquista, um trabalho que vem sendo executado desde 1962, de vacinação, controle e combate a essa doença. Agora estamos próximos da retirada da vacinação, já em 2019. Pra nós é gratificante, é o reconhecimento de um trabalho que foi bem feito”.

O superintendente Federal de Agricultura em Mato Grosso (SFA-MT), José de Assis Guaresqui, destacou o trabalho de combate à febre aftosa no estado e deixou uma mensagem da importância da manutenção da sanidade do rebanho. “É uma responsabilidade de todos os agentes da cadeia produtiva, não só na retirada da vacinação que pode abrir novos mercados, mas, sobretudo que continuemos fazendo o dever de casa e contribuir para que o país continue crescendo e avançando na defesa agropecuária”.

Esteve presente o representante da Aproleite, Marcos Carvalho; o secretário executivo do Sindicato das Indústrias Frigoríficas do Estado de Mato Grosso (Sindifrigo), Jovenino Borges; o diretor técnico da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Francisco de Sales Manzi; e o presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-MT), Vérton Silva Marques.

Plano

O Plano Estratégico está alinhado com o Código Sanitário para os Animais Terrestres, da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), e as diretrizes do Programa Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa (Phefa), em prol também da erradicação da doença na América do Sul.

Os estados brasileiros foram divididos em cinco blocos pecuários para que seja feita a transição de área livre da aftosa com vacinação para sem vacinação. O plano prevê a retirada total da vacinação no país até 2023.





| deixe sua opinião |

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui