Rodovias concedidas de Mato Grosso têm melhor avaliação em cinco anos, diz pesquisa CNT

0

As rodovias sob concessão privada em Mato Grosso tiveram a melhor avaliação dos últimos cinco anos pelo menos, segundo a 22ª edição da principal pesquisa que mede a qualidade das estradas brasileiras, realizada pela CNT (Confederação Nacional do Transporte). A quantidade de trechos rodoviários em bom estado de conservação aumentou em 20% em 2018 se comparada ao ano passado. Os resultados divulgados nesta quarta (17) mostram que, somadas, as avaliações “ótimo” e “bom” das rodovias concedidas, o índice este ano foi de 65,5%. No ano passado, a taxa era de 41,7%. A melhor avaliação havia sido em 2016, com 58,1%. O levantamento considera como indicadores as condições do pavimento, sinalização e geometria da via.

Em Mato Grosso foram avaliados 4.810 km de rodovias, sendo 982 km correspondentes aos trechos concedidos. Uma das principais vias do país, a BR-163 conta com 850,9 km sob responsabilidade da Rota do Oeste. A rodovia é a única federal sob concessão em Mato Grosso.


 

A pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) analisou mais de 107 mil km de rodovias estaduais e federais pavimentadas do país. Em Mato Grosso foram 4.810 km, sendo 982 km correspondentes aos trechos concedidos no estado. Uma das principais vias do país, a BR-163 conta com 850,9 km sob responsabilidade da Rota do Oeste. A rodovia é a única federal sob concessão em Mato Grosso.

Conforme a pesquisa, a avaliação “ótimo” subiu de 5% em 2017 para 22,6% em 2018. Também teve alta a classificação “bom”, chegando a 42,9% este ano, contra 36,7% no ano passado. A diferença de trecho avaliado foi de 993 km no ano passado, para 982 km em 2018, o que representa pouco mais de 1%. O percentual é próximo aos anos anteriores, atestando que o trecho avaliado é praticamente o mesmo desde 2014.

Em 2018, a situação de 222 km de rodovias concedidas foi considerada ótima, 422 km classificadas como “bom” e nenhum trecho apontado como “péssimo”.  Já na avaliação das rodovias públicas do estado, a classificação “ótimo” ficou em 3,9% e “bom” com 30,2%. O maior índice foi “regular” com 48,7%.

O diretor-presidente da Rota do Oeste, Diogo Santiago, destaca que a Concessionária vem executando continuamente pacotes de recuperação do pavimento ao longo da BR-163, além das atividades de manutenção nos pontos mais críticos. Atualmente, as equipes concentram os serviços com obras na região norte da rodovia, entre Diamantino a Sinop, e a BR-070 (rodovia dos Imigrantes), no Trevo do Lagarto.

  Cinco empresários do ramo de óleo lubrificante são presos em MT por suspeita de crime ambiental

“Iniciamos frentes de serviços nos trechos considerados mais críticos por entendermos a necessidade de melhoria na trafegabilidade da BR-163. Nos próximos meses, o fluxo de veículos de carga deve aumentar com a chegada do período de escoamento da safra, então, quanto antes a rodovia estiver em boas condições, é melhor para a produção e economia”, apontou Santiago.

Indicadores – Para chegar até a classificação geral das rodovias, a CNT avalia três critérios: pavimento, sinalização e geometria da via. Nos três quesitos, a avaliação positiva das rodovias concedidas de Mato Grosso em 2018 é a melhor dos últimos cinco anos. O destaque no estado ficou com o quesito sinalização, que este ano somou 81,9% da classificação positiva. Em 2017, a taxa ficou em 40,1%. O resultado nacional também teve avanços, com alta de 14,5 pontos percentuais.

O indicador pavimento este ano teve 62% de classificação positiva este ano e a geometria da via pontuou 40,7% entre ‘ótimo’ e ‘bom’. Em 2017, a classificação foi de 50,6% e 40,1%, para pavimento e geometria da via, respectivamente.

Concessões – No país, a alta na classificação positiva das rodovias concedidas foi de 7,5 pontos percentuais. O índice subiu de 74,4% para 81,9% em 2018. O presidente da CNT, Clésio Andrade, ressalta a importância da participação da iniciativa privada para a construção e manutenção das rodovias brasileiras. “Não temos dúvidas de que o poder público precisa reconhecer a importância da iniciativa privada e chamar os investidores para serem protagonistas dessa empreitada. A viabilização dos investimentos privados, com a garantia de segurança jurídica e propostas atrativas de parceria, deve ser sempre priorizada”, disse.

CNT – Considerado o principal levantamento sobre a situação de rodovias no país, a pesquisa CNT tem como objetivos servir de instrumento de diagnóstico da malha rodoviária do Brasil e subsidiar estudos para que políticas setoriais de transporte, projetos privados, programas governamentais e atividades de ensino e pesquisa resultem em ações que promovam o desenvolvimento do transporte rodoviário de cargas e de passageiros. A pesquisa de 2018 pode ser acessada na íntegra no site da Confederação.





| deixe sua opinião |

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui