Parlamentares conservadores do Chile manifestam apoio a Bolsonaro

0

Dois senadores que pertendem à ala conservadora da política chilena visitaram ontem (17) o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), e manifestaram apoio à candidatura dele. Estiveram na casa do presidenciável Jacqueline van Rysselberghe e José Durana, da União Democrática Independente (UDI), partido de direita no Chile que faz parte da base governista do presidente Sebastián Piñera.

“Dissemos a Jair Bolsonaro que nos encataria receber uma visita oficial dele como chefe de Estado e que faremos todos os esforços para firmarmos um acordo de livre comércio entre os dois países”, disse Jacqueline van Rysselberghe, presidente da UDI. A legenda possui atualmente a segunda maior bancada tanto na Câmara dos Deputados como no Senado do Chile.


A senadora chilena destacou que o Brasil, como nona economia do mundo, é também um parceiro estratégico para o fortalecimento dos laços econômicos com o Chile. “Queremos que a esquerda, que em distintos países elevou a corrupção a níveis inacreditáveis, pare de ganhar na América Latina. Queremos que os governos possam entregar desenvolvimento aos seus povos”, acrescentou.

Na semana passada, durante viagem à Madri, na Espanha, Piñera conversou com jornalistas sobre a eleição brasileira. Ele elogiou as propostas econômicas de Bolsonaro, embora também tenha pontuado divergências em outras questões.

Ontem (16) o presidente da Argentina, Mauricio Macri, telefonou para Bolsonaro. Segundo assessores do argentino, foi uma “conversa cordial”. Não foram divulgados detalhes.

  PSL entrega prestação de contas retificadora da campanha de Bolsonaro

Visitas

O deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) e o senador Magno Malta (PR-ES) acompanharam os dois senadores chilenos na visita a Bolsonaro. “O nosso futuro presidente, se Deus quiser, disse a eles que fará todos os esforços para ir ao Chile ainda antes da posse, pelo carinho e pela admiração e para fortalecer essa América Latina que é democrática e que quer prosperar com colaboração mútua”, disse Lorenzoni.

Senador mais votado em São Paulo com 9 milhões de votos, Major Olímpio (PSL) também visitou hoje Bolsonaro. Na disputa pelo governo paulista entre Márcio França (PSB) e João Dória (PSDB), Major Olímpio declarou apoio ao primeiro. Porém, segundo ele, trata-se de uma posição pessoal.

“O PSL está neutro. Houve uma decisão da direção nacional de liberar seus quadros. É um segundo turno que se vota por exclusão. Os dois são de esquerda só que um é do PSDB, que é responsável direta ou indiretamente por ação e omissão pela morte de policiais e agentes penitenciários por 24 anos no estado de São Paulo. E eu só disse que não alimento meu carrasco.”

Ao longo do dia o candidato do PSL à Presidência recebeu ainda visitas do governador eleito do Paraná, Ratinho Júnior (PSD), e do pai dele, o apresentador de televisão Ratinho. Eles deixaram o local sem falar com a imprensa.

Edição: Denise Griesinger