Universitárias da UFMT denunciam assédio, perseguições e invasão de banheiro feminino

0
(Foto: Mateus Hidalgo)

As universitárias da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) denunciaram diversos casos de assédio ocorridos no campus. Entre os relatos estão perseguições feitas por homens nus, invasões a banheiros femininos, entre outros casos. A reitoria afirmou estar a par dos casos e pede que todos os fatos sejam denunciados.
Na página do Instagram denominada “Meu Olhar UFMT“, as universitárias compartilharam alguns dos fatos que vivenciaram. “Um dia antes da greve eu estava indo embora de carro com um amigo meu e um homem (…) entrou no meio da rua e tirou toda a roupa. Depois veio com um ferro para bater no carro. Isso era umas 21h em frente às quadras, ele estava vindo da direção dos blocos”, relatou uma das mulheres.
“Minha mãe presenciou esse mesmo cara pelado enquanto saia da piscina da UFMT. Ele simplesmente seguiu o carro dela e parou na frente do carro, remexendo o corpo. Apesar de buzinar e ameaçar chamar a polícia, ele não saia. Ela teve de contornar o rapaz que ainda saiu correndo atrás”, contou outra universitária.
Em outra postagem, o relato também é de assédio: “Não é só com as mulheres não, em quase todos banheiros masculinos e piscina, você não consegue ter paz na hora de fazer suas necessidades. Os caras esperam na porta, (…) ficam te rodeando e as vezes até colocam as partes íntimas para fora”. O problema já estaria acontecendo há vários anos.
Em nota, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) orientou a comunidade acadêmica e a sociedade em geral para que nos casos em que se sentirem vulneráveis frente a alguma situação de risco entre em contato imediato com a Coordenação de Segurança ou servidores da área, que funciona 24 horas por dia e fica localizada próxima à Guarita I.
“Caso alguma pessoa se sentir ameaçada, ela pode acionar a Segurança da UFMT nos seguintes números: (65) 3615-8065 ou 3615-8063 (Coordenação de Segurança), (65) 3615 8070 (Guarita I). Ao verificar a situação, a equipe de segurança da Universidade aciona imediatamente a Base Comunitária da Polícia Militar do bairro Boa Esperança quando identifica a necessidade de um atendimento especializado”, diz trecho da nota.
Se a pessoa não estiver com um celular, a recomendação é que procure o vigilante mais próximo. “A UFMT conta com as parcerias da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Federal visando à resolução de incidentes, bem como assegurar a integridade das pessoas e do patrimônio institucional. As ocorrências verificadas pela equipe de segurança são registradas para manter o monitoramento e ações que busquem segurança no Campus. Importante lembrar que, mesmo neste caso, as pessoas envolvidas são orientadas a registrar formalmente o ocorrido junto à autoridade policial, que é a instituição competente para dar prosseguimento investigatório e também legal para casos que infringem a lei”, finaliza a nota.

  Mulher e criança são encontradas mortas dentro de carro em enxurrada