Mato Grosso precisa cortar as mordomias palacianas, defende Otaviano
Candidato a vice aponta necessidade de implantar um “estado necessário” com consciência e responsabilidade de gestão
Publicado em 13/09/2018 às 06:56 | REDAÇÃO
+ -





O candidato a vice-governador pela Coligação “Pra Mudar Mato Grosso”, Otaviano Pivetta (PDT), atribui grande parte do desiquilíbrio das contas públicas do governo à falta de consciência e de experiência em gestão do atual governo. Ao lado de Mauro Mendes, candidato a governador pelo DEM, Otaviano defende a implantação de um “Estado Necessário” “sem penduricalhos ou gastos desnecessários.”

 

“Não é questão de estado mínimo ou estado máximo. É preciso implantar um estado necessário, com tudo que, de fato, é preciso para bom andamento da máquina. Austeridade é a palavra”, afirmou o candidato a vice durante entrevista ao programa Opinião (TV Pantanal).

 

Otaviano ainda destacou que os luxos irresponsáveis, desrespeito ao funcionalismo público, falta de conhecimento sobre a máquina e nas tratativas com os governos federal e municipais foram os principais erros da atual gestão, que além de prejudicar o funcionamento do Executivo, também não soube dar exemplo aos demais Poderes.

 

Na visão de Otaviano Pivetta, é preciso um choque de gestão com efetiva e valorizada participação dos servidores públicos. “Servidores que, inclusive, já tem manifestado espontaneamente apoio ao nosso projeto e que se formos eleitos terão grande importância em nossa gestão”, ressaltou.

Leia:  Em MT, Bolsonaro lidera com 39% para presidente; Haddad tem 14%

 

“Nenhum governador vai conseguir diminuir o custo da máquina ou custo do poder público sem dar o exemplo. Faremos isso! O Mauro está preparado, focado nas soluções para Mato Grosso. E com minha experiência de 20 anos dedicados a vida pública poderei contribuir nessa busca de melhorias para Mato Grosso”, finalizou.

 

 

Luverdense figura entre os 15 melhores colocados em pesquisa espontânea à Assembleia






Os comentários estão desativados.