Seguros para animais e pecuário estão sob nova legislação

0
Freepik O colágeno pode ser obtido de diversas espécies animais (bovinos, suínos, peixes)

Novas regras diferenciando o seguro pecuário e de animais foram determinadas pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), autarquia federal que regula o mercado de seguro, que tem até dezembro para se adaptar à nova legislação. A Circular 571/18 define o seguro pecuário como modalidade de seguro rural cujo objetivo é cobrir os danos diretos ou indiretos ao animal destinado ao consumo e/ou produção, bem como aos animais de trabalho destinados a sela, trabalho por tração e transporte no manejo da fazenda.

Os animais destinados à atividade reprodutiva cuja finalidade seja, exclusivamente, o incremento e/ou melhoria de plantéis, também estão enquadrados como seguro pecuário.


A circular define que o seguro de animais, que não é considerado como seguro rural, aplica-se aos animais classificados como de elite, domésticos (adaptados ao convívio familiar e destinados, exclusivamente, à companhia de pessoas, à atividade de cão-guia ou à guarda residencial) ou para segurança (destinados a serviços de segurança e fiscalização por pessoas jurídicas de direito público ou privado destinadas a tal fim).

De acordo com a nova regra, animais de elite são aqueles destinados ao lazer ou à participação em torneios/provas esportivas, bem como os utilizados, exclusivamente, em atividade reprodutiva que não seja para o incremento e/ou melhoria de plantéis.

Indenizações

Tanto para o seguro pecuário como para o seguro de animais, a Circular 571/18 define que a seguradora não está obrigada a garantir o pagamento de indenização em caso de morte dos animais, podendo oferecer outras coberturas que garantam riscos passíveis de causar prejuízos pecuniários ao segurado.

 

  Grandes empresas do agronegócio anunciaram vagas de estágio; confira

| deixe sua opinião |

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui