Mulher que morreu no parto seria mãe pela primeira vez e teve gravidez tranquila; bebê em coma

0

Embora ainda seja mantida em coma induzido, recém-nascida Luiza, de apenas quatro dias, mantém as acesas as esperanças da família em sua recuperação. A menina, que segue respirando com auxílio de aparelhos na UTI da Santa Casa de Misericórdia de Rondonópolis (215 km de Cuiabá), teve o parto realizado após a morte de sua mãe, Iolanda Pimentel, 22, causada por um ataque cardíaco na sexta-feira (17).

Sem histórico de doenças e com gravidez considerada tranqüila, Iolanda Pimentel seria mãe pela primeira vez nas próximas semanas. O sonho, no entanto, foi interrompido por um mal súbito que causou seu falecimento, na sexta-feira (17), em Rondonópolis (215 km de Cuiabá). Atendida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), ela teve o parto realizado mesmo depois de ter morrido. Deste estão, a criança segue em coma induzido na UTI da Santa Casa de Misericórdia da cidade.


A prima de Iolanda, Jomara Nunes, contou que a jovem não apresentava sintomas de nenhuma doença e que, ao conversar com ela horas antes da tragédia, nenhuma situação anormal foi relatada. Jomara, que seria madrinha de Luíza, lembra que em 2011 uma irmã de Iolanda faleceu nas mesmas circunstâncias. “Informaram pra minha mãe que foi um ataque cardíaco, mas vi que a médica responsável pelo atendimento classificou com uma eclampsia”, afirmou.

  Prefeitura de Nobres (MT) abre processo seletivo com 55 vagas

O quadro, que ocorre no final da gravidez, é caracterizado por convulsões associadas à hipertensão arterial, diagnóstico semelhante ao da vítima quando foi atendida pelos profissionais. Segundo Jomara, o pai de Luíza está muito abatido com os acontecimentos e não tem apresentado condições de falar. “É um momento muito difícil pra todos, está até complicado falar com ele. É muita coisa. Nossa esperança agora é que a Luíza se recupere logo.”

A criança foi diagnosticada com pneumonia e segue respirando com ajuda de aparelhos na UTI unidade hospitalar. A família alega que ela pode apresentar sequelas no futuro em decorrência da situação delicada. Na manhã desta terça-feira (21), a Santa Casa informou que não houve alterações no estado de saúde de Luíza, ainda considerado grave.





| deixe sua opinião |

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui