Árbitro mato-grossense recebe distintivo da Fifa
Três árbitros brasileiros recebem o distintivo da Fifa
Publicado em 16/02/2017 às 21:07 | CenárioMT com CBF
+ -




Brasil terá oficialmente a partir desta quinta-feira três novos árbitros no quadro da Fifa.  O carioca Wagner Magalhães, o mato-grossense Wagner Reway e o paranaense Rodolfo Toski receberão a insígnia da entidade no encerramento do Programa para Treinamento de Árbitros de Elite, realizado pela CBF no Rio de Janeiro. Eles foram nomeados no início do ano, mas a partir de agora poderão trabalhar efetivamente em partidas internacionais de competições chanceladas pela Fifa.

 

A elite da arbitragem brasileira esteve presente no auditório da sede da CBF para a cerimônia de entrega das insígnias da FIFA, na manhã desta quinta-feira (16).  O evento encerrou o ciclo de atividades do Treinamento para Árbitros de Elite, realizado desde a última terça-feira (14), no Rio de Janeiro.

 

No evento desta quinta-feira, os árbitros receberam as insígnias da FIFA das mãos do presidente da CBF, Marco Polo Del Nero. O dirigente parabenizou os profissionais e falou sobre as particularidades do ofício.

 

– É um dia de festa, comemoração. Temos novos árbitros na FIFA. Sei que e a profissão mais difícil do mundo. Enquanto um juiz de direito fica um ou dois anos para dar uma sentença, para, estuda… Vocês não, tem que definir a questão num linear de segundo. Mas, estamos dando todas as condições e quero que em 2017 a arbitragem brasileira seja a melhor do planeta! – afirmou.

 

Antes da entrega das insígnias, os profissionais exibiram vídeos com recomendações aos árbitros e assistentes. Os temas foram controle de jogo, interpretação de bola na mão, comemoração de gol (invasão de integrantes do banco de reserva no campo e proximidade com a torcida), reclamação excessiva e ofensa ao trio de arbitragem, gandulas e posicionamento do árbitro em campo.

 

O objetivo das recomendações é passar uma uniformidade aos árbitros e assistentes. Presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, Marcos Marinho, explicou as formas e ferramentas que serão utilizadas para que a padronização seja alcançada.

 

– A ideia desse curso dos Árbitros de Elite é buscar um padrão para a arbitragem brasileira. Eles têm de criar uma identidade. Com a aproximação de critérios, conduta, controle de jogo… Mostrar como isso tem que ser feito para os demais componentes do quadro ao longo do ano. Eles serão a referência. Isso foi colocado para eles, se reuniram, conversaram bastante. E a atuação deles não pode destoar sendo FIFA. Todos tem de ter a mesma linguagem e a mesma postura. Objetivo é uma padronização. Estaremos acompanhando isso, monitorando isso, estamos implantando um novo tipo de relatório de desempenho, que vai apontar melhor os desvios e reforçar as qualidades dos árbitro, é imediato, em no máximo 48 horas eles estarão recebendo e acho que isso é o que estava faltando para a gente buscar aquela uniformidade. Espero que no final do ano a gente possa colher bons resultados do que estamos plantando hoje – destacou.

 

Cláudio Vinícius Cerdeira, membro da Comissão de Arbitragem da CBF, explica que a ideia é que árbitros e assistentes brasileiros tenham uma postura mais firme. Cerdeira detalha as recomendações passadas no Treinamento para Árbitros de Elite.

 

– Passamos diversas recomendações aos árbitros. As recomendações técnicas, como mão na bola, proximidade, lateralidade, observar as jogadas.Vimos uma coisa que vem acontecendo: jogadores do banco de reservas que entram no intervalo ou ao final da partida para pressionar o árbitro. Queremos coibir isso. Foi um dos assuntos tratados nesta conversa. A comemoração de gol exagerada, agarra-agarra… E a participação ativa do trabalho em equipe. Assistentes participando muito, quarto árbitro também… Trabalho em equipe. Quanto mais pessoas puderem observar os lances, melhor para a arbitragem e melhor para o futebol. Estamos batendo muito nesta tecla para os assistentes participarem bastante… Hoje já há uma comunicação muito boa, contato direto entre árbitro e assistentes, teremos a volta dos árbitros adicionais e formaremos uma equipe de seis árbitros em todos os jogos na Série A e vamos exigir essa comunicação, o trabalho em equipe deles. É o nosso foco – acrescentou.

 

Árbitros FIFA:

Anderson Daronco (RS)
Deborah Correia (PE)
Dewson Freitas (PA)
Edina Batista (PR)
Raphael Claus (SP)
Regildenia de Holanda (SP)
Rejane Caetano (RJ)
Ricardo Marques (MG)
Rodolpho Toski (PR)
Wagner Magalhães (RJ)
Wagner Reway (MT)
Wilton Sampaio (GO)

Árbitros assistentes:

Alessandro Álvaro Rocha (BA)
Bruno Boschilia (PR)
Bruno Pires (GO)
Danilo Simon Manis (SP)
Fabrício Vilarinho (GO)
Guilherme Camilo (MG)
Kléber Gil (SC)
Nadine Bastos (SC)
Neuza Back (SC)
Marcia Bezerra (RO)
Rodrigo Corrêa (RJ)
Tatiane Camargo (SP)

 

O evento foi comandado pelo presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, Marcos Marinho, o vice-presidente, Alício Pena Júnior, o diretor técnico da Escola Nacional de Arbitragem (ENAF), Manoel Serapião Filho, e coordenador do Projeto de Desenvolvimento e Implementação do árbitro de vídeo, Sérgio Corrêa.